Imprimir

Catequese

Escrito por José Luís. Publicado em Catequese

“A Catequese é a iniciação ao amor do Pai, do Filho e do Espírito Santo”

O Sínodo da catequese foi crítico com a situação actual da paróquia, necessitada de profunda renovação: De facto, muitas paróquias, por diversas razões, estão longe de constituir uma verdadeira comunidade cristã. No entanto, a via ideal para renovar esta dimensão comunitária da paróquia poderá passar por fazer dela uma comunidade de pequenas comunidades (Prop. 29;ChL 26, 34; DGC 258).

A comunidade é a origem, o lugar e a meta da catequese (DGC 254). É sempre da comunidade cristã que nasce o anúncio do Evangelho, que convida os homens e as mulheres à conversão e a seguirem Cristo. E é esta mesma comunidade que acolhe aqueles que desejam conhecer o Senhor e a comprometer-se numa vida nova. Ela acompanha os catecúmenos e os catequizandos, no seu itinerário catequético; e, com materna solicitude, chama-os a participar na sua própria experiência e fé e integra-os no seu seio.

A comunidade é o lugar ou âmbito normal da catequese (MPD 13). É como o seio materno onde se faz a gestação do homem novo por meio da Palavra de Deus, viva e permanente (I Pe 1, 23).

«A catequese corre o risco de se esterilizar, se uma comunidade de fé e vida cristã não acolher o catequizando a certo passo da sua catequização. É por isto que a comunidade eclesial, a todos os níveis, é duplamente responsável em relação à catequese: antes de mais, tem a responsabilidade de prover à formação dos próprios membros; depois, também a de os acolher num meio ambiente em que possam viver o mais plenamente possível aquilo que aprenderam» (CT 24). A catequese cria comunidade e renova a comunidade. A catequese é, uma expressão permanente da vitalidade de uma comunidade cristã.

Durante a caminhada catequética o cristão descobre e experimenta o que é viver como cristão, e percebe, no concreto da sua vida, qual é o caminho da fidelidade, a Deus, a Cristo, e à Igreja. Descobre a Igreja como “casa, escola da comunhão”, a “barca” onde encontra a salvação. É uma caminhada, feita em comunidade eclesial, para descobrir toda a exigência e riqueza do baptismo, sacramento que nos uniu a Jesus Cristo. Esta caminhada, prepara o cristão para a “confissão da fé”, que ele deve exprimir na celebração litúrgica, na proclamação convicta do Evangelho e no testemunho de vida.

Como diz o Directório: A catequese é, uma caminhada, que se faz em comunidade de fé. Na experiência da vida cristã, a dimensão comunitária prevalece sobre a individual. Neste aspecto o próprio grupo de catequese deve ter a qualidade e o dinamismo de uma pequena comunidade de crentes, que caminham em conjunto, sempre com a consciência de que são parte de uma comunidade mais alargada, com a qual celebram a Eucaristia.

Para que o grupo de catequese adquira o ritmo de uma pequena comunidade que caminha, “o catequista assume ser o rosto e porta voz da fé da Igreja e testemunha da experiência de fé das comunidades. Estes não só transmitem conhecimentos religiosos mas iniciam nas várias dimensões da fé: na oração, na celebração da liturgia e no comportamento cristão, a partir da sua experiência pessoal de vida cristã.

A catequese deve estar integrada com outras pastorais. Para isso, os catequistas devem estar envolvidos na vida litúrgica e de serviço da comunidade. Por outro lado, os agentes pastorais também devem se interessar pela acção catequética. A interacção entre catequese e grupos pastorais pode ser beneficamente fomentada por meio de parcerias. Assim em plena comunhão eclesial, tornamos, visível e operante na vida das pessoas o amor do Pai, a graça redentora de Cristo, e a força do Espírito Santo.



Para todas as etapas da vida

Começa a catequese. E mais uma vez se ouve dizer que a catequese é para todas as etapas da vida. Que quer isso dizer?

É verdade que a catequese é para todas as etapas da vida. De facto, a palavra «catequese» parece ligada a «criança». Mas nem sempre foi assim.

No início do cristianismo, a catequese era para os adultos que pediam o baptismo. Não havia aptismo de crianças. Mais tarde, quando o cristianismo se propagou e se tornou a religião oficial, as crianças passaram a ser baptizadas. À medida que cresciam, eram iniciadas à vida cristã pelos seus pais, pelo ambiente religioso e pelo clero.

A catequese, hoje

A partir do Concílio de Trento, nos séculos XVI-XVII, desenvolveu-se uma catequese regular, estruturada, que explicava os elementos da fé cristã. Surgiram os catecismos feitos de perguntas e respostas, que chegaram até ao século XX.

Actualmente, podemos constatar que os nossos conhecimentos bíblicos e catequéticos são muito poucos. Percebemos facilmente que não podemos viver a fé apenas com os conhecimentos recebidos na idade infantil. Não podemos andar toda a vida vestidos com a roupa da Primeira Comunhão!

A Igreja insiste que os cristãos, vivendo numa sociedade secularizada e por vezes hostil ao cristianismo, necessitam de aprofundar as razões da sua fé. Além disso, há cada dia novos problemas que exigem da parte dos cristãos respostas inspiradas no Evangelho.

Para todas as idades

Por conseguinte, a catequese é também para os adolescentes, que põem em causa o que receberam na infância. É também para os jovens que buscam um sentido para a vida. É também para os casais que desejam construir um lar assente na Palavra de Deus. É também para os idosos que necessitam de sentir a força da esperança.

A catequese é para todas as etapas da vida, pois ninguém nasce cristão. Ele vai fazendo-se ao longo dos anos, numa fidelidade cada vez maior ao Evangelho e num conhecimento cada vez melhor de Jesus Cristo.

Comente e partilhe

Share on Myspace