Homilia na Solenidade da Imaculada Conceição 2008

MONIÇÕES PARA A CELEBRAÇÃO DA IMACULADA CONCEIÇÃO 2008

Entrada: Irmãos e irmãs, é tempo de Advento. Na linguagem da Igreja, a palavra Advento tem dois significados: presença e espera. Presença, porque a luz esperada já está presente! Cristo, o novo Adão, o Homem novo, está connosco e no meio de nós. Já brilha a luz e devemos abrir os olhos do coração para a ver. Mas o Advento, quer dizer também espera, porque a noite escura do mal é ainda muito forte. A festa da Imaculada ilumina, como um farol de luz, o tempo do Advento. Maria dá-nos Luz, da Luz recebida. Com os olhos postos na Virgem Imaculada, estrela da nossa esperança, acendamos agora as velas (da coroa) de Advento:

Oração ao acender as velas da coroa de Advento:

No nosso caminho para a Luz,
brilhas agora, ó Maria,
como a “Estrela de Esperança”:

Maria de Nazaré, Virgem Imaculada,
fostes por Deus escolhida e preparada,
para seres a Mãe do Teu Filho Jesus!

Tu és a nossa Mãe da Esperança:
Pelo teu «sim», abristes ao próprio Deus
a porta do nosso mundo!

Ó Maria, Estrela da Esperança,
brilha sobre nós
e guia-nos no caminho da Luz!

Cântico do Hino do Glória


Homilia na Solenidade da Imaculada Conceição 2008

1. Uma intensa luz, brilha sobre a página mais negra da nossa história humana e divina! Ali, onde abundou o pecado e a desobediência do Homem e da Mulher, sobreveio, como uma luz intensa, na mais densa noite dos tempos, a promessa da salvação, a garantia da nossa cura e da nossa libertação! Ali, onde a humanidade falhou, num abuso de liberdade criada, Deus não abandonou à desgraça a sua criatura! A história do pecado original faz brilhar, sobre os escombros da miséria humana, a promessa do amor divino, verdadeira luz invencível.

2. Mas que nos diz afinal, e de essencial, esta história, tão antiga e sempre nova, do pecado original?

Ela, de algum modo, desenha-nos um forte contraste de luzes e de sombras, a partir do coração do homem! A pessoa humana, é «capaz de Deus» e de viver em comunhão com Ele. Essa é a sua vocação original. Mas a mesma criatura humana é também vulnerável, na sua liberdade, a ponto de se deixar seduzir pelo mal e de se furtar ao amor de Deus! Esta contradição, no mais íntimo do ser da pessoa, não é um dogma nem uma teoria. Cada um de nós a experimenta todos os dias. Disse-o com toda a sinceridade o Apóstolo Paulo: “Não faço o bem que quero e faço o mal que não desejo” (Rom.7,18-19) O mal existe simplesmente! E sobre isso, não há sombra de dúvida! Como consequência deste poder do mal, desenvolveu-se, desde as origens e ao longo dos séculos, um rio sujo, que envenena a geografia da história humana! Estamos assim, perante dois mistérios: o da luz e o da escuridão!

3. Como mistério da luz, podemos enunciar esta primeira certeza da fé: não há neste mundo, dois princípios, um bom e um mau! Há um só princípio, um só Deus criador! E este princípio é bom, unicamente bom, sem sombra de mal. E por isso também o ser humano, criado à imagem e semelhança de Deus, não é uma mistura de bem e de mal! O ser humano, como tal, é bom, e por isso é bom existir, é bom viver! Este é o alegre anúncio da fé: só há uma fonte boa, Deus Criador, do qual recebemos tudo o que somos e vivemos. E por isso, viver é um bem! É bom ser homem, é bom ser mulher!

4. Mas paira ainda sobre nós, e tão densamente, o mistério do mal. Como foi possível, como aconteceu? Isso permanecerá, sempre obscuro para nós, tão obscuro e irracional, como é a escuridão do próprio mal! A imagem, descrita na primeira leitura, poderá ajudar-nos a intuir algo da origem desse mal, mas não pode explicar o que, em si mesmo, não tem lógica. O que podemos saber, no meio de toda esta escuridão, é que o mal não provém do próprio ser de Deus, nem pertence ao ser da pessoa. O pecado permanece como uma marca de origem, mas não como um defeito de fabrico! O mal vem e provém de uma liberdade abusada!

Mas, ainda assim, neste jogo de luzes e sombras, Deus, com a sua luz, é sempre mais forte. E por isso, o mal pode ser superado. A criatura humana pode ser curada. Para isso, Cristo veio a este mundo e fez brotar, para nós, uma fonte de graça, abriu, no mar das nossas desgraças, um rio de luz!

5. Meus queridos irmãos: Estamos em Advento e todos nos propusemos ser e receber dessa luz, que é Jesus! Essa luz, aliás, já brilha e devemos abrir os olhos do coração para a vermos e assim entrarmos nesse rio da luz. Mas este caminho, com frequência, torna-se escuro, duro e cansativo, porque a noite escura do mal é ainda muito forte.

Por isso, para chegarmos a ser e a receber esta Luz, precisamos de luzes próximas de nós, de pessoas que reflictam a luz de Cristo e iluminem o nosso caminho a percorrer!

E que pessoa mais luminosa do que Maria? Quem, melhor, do que Maria, pode ser para nós essa “estrela de esperança (cf. Enc. Spe salvi, 49) que nos guia? Ela é a primeira criatura, redimida pela Luz, daquele que veio a dar à Luz. Com o seu "sim", Maria consentiu, que a Luz de Deus entrasse neste mundo. Por meio dEla, Deus fez-se carne, entrou na história, como nova fonte do bem! Por isso, animados por filial confiança, pedimos-lhe:

"Maria, Estrela da nossa esperança, indica-nos o caminho da Luz. Tu, nossa companheira, no caminho para a luz, brilha sobre nós! Tu que trepidante nos esperas nessa luz sem ocaso, guia-nos nas dificuldades de cada dia, agora e na hora da nossa morte. Amém!"


PRECES – IMACULADA CONCEIÇÃO 2008

P- "Cheia de graça" és tu, Maria! Para nós, Tu "és fonte viva de esperança". A esta fonte, à nascente do teu Coração imaculado, voltamos mais uma vez, peregrinos e confiantes, para haurir fé e conforto, alegria e amor, segurança e paz. Nós to pedimos, com esta invocação: Senhora da Hora, guia-nos a todos no caminho da Luz!

1. Que a Virgem Imaculada interceda pela Igreja, para que se apresente, como Ela, diante de Cristo, “esposa, sem mancha, nem ruga, mas santa e imaculada”. Oremos.

2. Que Virgem Imaculada nos ajude a não desesperar perante os fracassos da nossa história colectiva e nos faça acreditar sempre na vitória do amor de Deus, sobre a desgraça e o pecado. Oremos.

3. Que a Virgem Imaculada, Esposa e Mãe, ajude os nossos casais a viver no dom e na alegria do primeiro amor. Oremos.

4. Que a Virgem Imaculada, Nossa Senhora do sim, ajude todos os que foram chamados ao sacerdócio e à vida consagrada, a viver na fidelidade à sua vocação. Oremos.

5. Que a Virgem Imaculada, nos ensine a receber o dom da Eucaristia, para que a nossa vida, à sua semelhança, seja toda ela um hino de louvor à glória de Deus! Oremos.

P- Senhor, que nos escolhestes antes da criação do mundo e nos tornastes herdeiros da Vida, concedei-nos desde já alegria dos vossos dons e, por Maria, dai-nos a graça da vitória sobre todo o mal, que alcançastes para nós em Jesus Cristo vosso Filho que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo...

Prefácio Próprio; Oração Eucarística III


ORAÇÃO DOS FIÉIS - SENHORA DO Ó

P: Maria, é "fonte viva de esperança". A esta fonte, à nascente do seu Coração imaculado, voltamos mais uma vez, e de olhos postos, nesta nossa bela imagem de Nossa Senhora da Hora. Confiantes na sua intercessão, invocamos a graça do Senhor, para alcançar a fé e o conforto, a alegria e o amor, a segurança e paz do nosso Salvador: 2 Leitores: Um faz a invocação e outro a Resposta

1. Ó Sabedoria do Altíssimo, que tudo governais, com firmeza e suavidade!

R. Vinde ensinar-nos o caminho da salvação!

2. Ó Chefe da Casa de Israel, que no Sinai nos destes a Lei de Moisés!

R. Vinde resgatar-nos com o poder do vosso braço!

3. Ó Rebento da raiz de Jessé, sinal erguido diante dos Povos!

R. Vinde libertar-nos. Não tardeis mais!

4. Ó Chave da Casa de David, que abris e ninguém pode fechar, fechais e ninguém pode abrir!

R. Vinde libertar os que vivem nas trevas nas sombras da morte!

5. Ó Sol nascente, esplendor da Luz eterna e Sol de Justiça!

R. Vinde iluminar os que vivem nas trevas e na sombra da morte!

6. Ó Rei das nações e pedra angular da Igreja!

R. Vinde salvar o Homem que formastes do pó da terra!

7. Ó Emanuel, nosso Rei e Legislador, esperança das nações e Salvador do Mundo!

R. Vinde salvar-nos, Senhor, nosso Deus!

Pároco: Mãe da esperança, Santa Maria, Mãe de Deus, Mãe nossa: ensinai-nos a crer, esperar e amar convosco. Indicai-nos o caminho para o Reino do vosso Amado Filho que é Deus com o Pai, na Unidade do Espírito Santo.


Homilia na Solenidade da Imaculada Conceição 2007

1. Celebramos, no Advento, a Solenidade da «Imaculada Conceição»! Palavra d’honra, que me apetecia passar pela assembleia uma folha em branco e pedir-vos, um a um, que respondessem a duas perguntas: 1) Que significa para Maria, este título da “Imaculada Conceição”? 2) Que significado tem para nós este mistério da Imaculada Conceição, para que seja celebrado como fonte de esperança? Por certo, voltaria em branco, “virgem” e “imaculada” a folha de resposta, que vos fora dada!

2. Ora, para responder a estas duas perguntas tão difíceis, o melhor é contar-vos brevemente uma longa história! Digo-vos já que não é original a bela história, que vos vou contar. Pois é “a antiga e sempre nova” história do pecado original. E que diz ela afinal?

2.1. Diz que «Deus nos escolheu, antes da Criação do Mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, em caridade, na sua presença» (cf. Ef.1, 3-12). Por palavras mais simples: o único sonho de Deus é fazer-nos conhecer e viver no seu Amor; do seu Amor, para o seu Amor”. Deus criou o Homem, homem e mulher, para viver e conviver, na sua presença, para ser, estar e caminhar, na alegria da sua companhia. De certo modo, o Homem é chamado a viver no coração de Deus, como em sua casa. Nisto estava a vida e alegria do Homem: conhecer e amar a Deus, ser conhecido e amado por Ele. O maior risco, para o Homem - e Deus advertira-o disso - era querer «saltar para fora» do coração de Deus. Criar raízes fora dele!

2.2. E assim aconteceu. O Homem cedeu à tentação de usar a sua liberdade, para escapar ao amor de Deus. E então a tal liberdade que lhe parecia prometer a verdadeira alegria, trouxe-lhe o medo e a solidão; a inteligência, com que julgava transformar o seu mundo num jardim, fez dele um deserto. A promessa de uma vida exaltante, fora de Deus, desembocou rapidamente na desordem e no vazio. Por fim, o homem que julgava encontrar, sem Deus, o Paraíso, vê-se metido no inferno da solidão, da inimizade e da destruição.

2.3. Uma história cheia de “poesia”, direis… mas acaba tão mal assim?! Não. Neste cenário “triste e escuro”, abre-se um clarão de esperança. Deus não abandona a Humanidade. Anuncia-se já a vitória do amor de Deus, sobre o pecado. O mal não terá a última palavra. O amor de Deus é invencível, e fá-lo-á descer e vir ao nosso encontro, para nos salvar. E é nesta prometida “viagem” ou “viragem histórica” que se anuncia já o aparecimento da mais alta “estrela da nossa esperança”; vê-se já desenhada no céu, a figura nova de uma Mulher. Da sua descendência, havia de nascer Aquele que esmagaria o poder terrível do mal, com a força frágil do amor.

3. Ora, foi nesta esperança, que a humanidade esperou ansiosamente um Salvador. Nenhum poder ou reinado, por mais virtuoso que fosse, se revelou capaz de devolver à Humanidade o Paraíso perdido. Nenhuma descoberta ou progresso, pôde dar resposta aos mais profundos anseios do coração humano. Nenhuma história de amor, por mais bela que fosse, escapou à sua própria morte. Só um amor incondicionado e ilimitado, um amor divino, maior do que o nosso coração, poderia dar à Humanidade a esperança da salvação! E a Deus bastou o «sim» livre, amoroso, humilde e confiante de uma Mulher, para acolher esse «amor». É aqui que entra em cena, a figura de Maria. Ela é “a Mulher”, escolhida por Deus, completa e repleta do seu Amor. Uma mulher simples e pobre, que vivia de Deus, vivia em Deus, vivia para Deus e nEle punha toda a sua esperança. Maria é «a Imaculada» porquanto nela o “vírus” do pecado, não entrou nem a manchou. Por um especial acto de amor, Deus preservou-a do pecado, preparando para o seu Filho “uma digna morada” (Oração Colecta).

4. Deste modo respondemos à primeira pergunta: que significa, Maria, a «imaculada»? A resposta é simples: Em Maria, por graça de Deus, não há nada que não seja puro; não há nada que em Maria não seja de Deus ou para Deus. E isto desde sempre, desde a sua «concepção». Quer dizer, desde o primeiro instante da sua vida, Deus tomou Maria para si, sem que qualquer sombra de pecado lançasse nela a sua raiz. De certo modo, Deus realizou, de maneira única e antecipada em Maria, o que queria fazer de cada um de nós: santos e salvos, pela graça abundante do seu amor!

5. Assim, - e respondemos agora à segunda pergunta - celebrar a ‘Imaculada Conceição” tem para nós este significado: “há no nosso mundo uma criatura humana, já radicalmente redimida, isto é, assumida, salva e transformada, pelo amor misericordioso de Deus”. Esta boa-nova não pode deixar de ser para nós fonte de alegria e de esperança: a partir da «Imaculada concepção de Maria», sabemos que o poder do mal foi esmagado e o coração humano foi redimido pelo Amor. Neste sentido, Maria é justamente aclamada como nossa “Estrela de Esperança”.

«Quem mais do que Maria, poderia ser para nós, Estrela da Esperança? Ela, que, pelo seu sim, abriu ao próprio Deus, a porta do nosso mundo!» (Spe Salvi, 49)! Para Ti, nos voltamos, ó Estrela da Esperança: brilhai sobre nós e guiai-nos no caminho de regresso ao Paraíso, para que Deus possa entrar e Cristo venha a nascer e a viver em nós, como em Ti!


Comentários - Rádio - Imaculada Conceição 2008

Entrada: Maria é a principal figura do Advento, que a Igreja contempla. Modelo perfeito do acolhimento fecundo da Palavra e da espera ansiosa do Messias, Maria revela-se para a Igreja sinal do tempo novo e mulher da pura graça. Não é só como Filha de um Povo que Maria espera o Messias. É também como Mãe de Deus, que Ele espera o Filho. Neste Advento, Maria aparece-nos, Mulher grávida, Mãe em expectação, verdadeira «Mãe da espera». Ela «está de esperanças», para usar uma expressão tão antiga e tão bela. Como diz a Liturgia, «Ela esperou com inefável amor» o Messias Prometido. Esperou-o e, pela sua santidade de vida, alcançou-o. Vivendo «sem pecado nem motivo algum de censura», ela «apressou a vinda do dia de Deus».

Neste dia de festa, queremos agradecer ao Senhor o grande sinal da sua bondade, que nos concedeu em Maria, sua Mãe e Mãe da Igreja. Queremos pedir-lhe que ponha Maria no nosso caminho, como luz que nos ajuda a tornar-nos também nós luz e a levar esta luz pelas noites da história!

Antes da 1ª leitura: No momento preciso do pecado, Deus anuncia uma boa nova de salvação; adivinha-se para Maria, Nova Eva, um papel singular.

Antes da 2ª leitura: Uma típica leitura de advento: esperamos os novos céus e a nova terra!

Antes do Evangelho: O sim de Deus e o sim da Mulher. Uma história nova começa.

Depois da Homilia:

Ao ofertório: Maria introduz-nos no espírito do ofertório. Toda ela se entrega a uma causa que a ultrapassa. Toda ela é puro acolhimento do dom, receptividade pura da graça. No momento em que a Igreja se entrega com Cristo ao Pai, Maria afigura-se como modelo de dádiva generosa.

À Comunhão: Diz o Papa a concluir a sua encíclica sobre a esperança: “Com um hino do século VIII/IX, portanto com mais de mil anos, a Igreja saúda Maria, a Mãe de Deus, como «estrela do mar»: A vida humana é um caminho. Rumo a qual meta? Como achamos o itinerário a seguir? A vida é como uma viagem no mar da história, com frequência enevoada e tempestuosa, uma viagem na qual perscrutamos os astros que nos indicam a rota. As verdadeiras estrelas da nossa vida são as pessoas que souberam viver com rectidão. Elas são luzes de esperança. Certamente, Jesus Cristo é a luz por excelência, o sol erguido sobre todas as trevas da história. Mas, para chegar até Ele precisamos também de luzes vizinhas, de pessoas que dão luz recebida da luz d'Ele e oferecem, assim, orientação para a nossa travessia. E quem mais do que Maria poderia ser para nós estrela de esperança? Ela que, pelo seu «sim», abriu ao próprio Deus a porta do nosso mundo”.

Final: Deus preparou uma digna morada para o seu Filho. Maria, cheia de graça, é um testemunho da gratuidade do amor de Deus, que ama primeiro e vai à frente. Seja este o estímulo para uma caminhada feliz ao encontro do Senhor.


Homilia do Papa Bento XVI

Solenidade da Imaculada Conceição 2005

O que significa "Maria, a Imaculada"? Este título tem algo a dizer-nos? A liturgia hodierna esclarece-nos o conteúdo desta palavra com duas imagens grandiosas. Em primeiro lugar, há a maravilhosa narração do anúncio a Maria, a Virgem de Nazaré, da vinda do Messias.

I. O EVANGELHO DA ANUNCIAÇÃO

A saudação do Anjo é tecida com fios do Antigo Testamento, especialmente do profeta Sofonias. Ele faz ver que Maria, humilde mulher de província que vem de uma estirpe sacerdotal e traz em si o grande património sacerdotal de Israel, é "o santo resto" de Israel ao qual os profetas, em todos os períodos de dificuldade e de trevas, fizeram referência. Nela está presente o verdadeiro Sião, a morada pura e viva de Deus. O Senhor habita nela, e nela encontra o lugar do seu repouso. Ela é a casa viva de Deus, que não habita em edifícios de pedra, mas no coração do homem vivo. Ela é o rebento que, na obscura noite invernal da história, brota do tronco abatido de David. É nela que se cumpre a palavra do Salmo: "A terra produziu o seu fruto" (67, 7). Ela é o botão do qual deriva a árvore da redenção e dos redimidos.

Deus não fracassou, como podia parecer já no início da história com Adão e Eva, ou durante o período do exílio babilónico, e como novamente parecia no tempo de Maria, quando Israel se tornou definitivamente um povo sem importância, numa região ocupada, com poucos sinais reconhecíveis da sua santidade. Deus não fracassou. Na humildade da casa de Nazaré vive o Israel santo, o resto puro. Deus salvou e salva o seu povo. Do tronco abatido resplandece de novo a sua história, tornando-se uma nova força que orienta e impregna o mundo. Maria é o Israel santo; ela diz "sim" ao Senhor, coloca-se plenamente à sua disposição e assim torna-se o templo vivo de Deus.

II. O DRAMA DO PECADO ORIGINAL

A segunda imagem é muito mais difícil e obscura. Esta metáfora tirada do Livro do Génesis fala-nos de uma grande distância histórica, e somente com dificuldade pode ser esclarecida; somente durante a história foi possível desenvolver uma compreensão mais profunda daquilo que ali é mencionado. Prediz-se que durante toda a história continuará a luta entre o homem e a serpente, ou seja, entre o homem e os poderes do mal e da morte. Porém, é também prenunciado que "a estirpe" da mulher um dia vencerá e esmagará a cabeça da serpente, da morte; prenuncia-se que a linhagem da mulher e nela a mulher e a própria mãe vencerá e que assim, mediante o homem, Deus vencerá. Se, juntamente com a Igreja crente e orante, nos colocarmos à escuta diante deste texto, então poderemos começar a compreender o que é o pecado original, o pecado hereditário, e também o que é a tutela contra este pecado hereditário, o que é a redenção.

Qual é o quadro que nesta página nos é apresentado?

a) O homem não confia em Deus. Ele tentado pelas palavras da serpente, alimenta a suspeita de que Deus, em última análise, tira algo da sua vida, que Deus é um concorrente que limita a nossa liberdade e que nós só seremos plenamente seres humanos, quando O tivermos posto de lado; em síntese, somente deste modo podemos realizar na plenitude a nossa liberdade. O homem vive na suspeita de que o amor de Deus cria uma dependência e que é necessário libertar-se desta dependência para ser plenamente ele mesmo.

b) A ciência, em vez do amor

O homem não deseja receber de Deus a sua existência e a plenitude da sua vida. Quer haurir ele mesmo, da árvore da ciência, o poder de plasmar o mundo, de se fazer deus elevando-se ao nível d'Ele e de vencer com as próprias forças a morte e as trevas. Não quer contar com o amor, que não lhe parece confiável; ele conta unicamente com a ciência, dado que ela lhe confere o poder.

c) O poder em vez do amor

Em vez de visar o amor, tem como objectivo o poder com que deseja ter nas suas mãos, de modo autónomo, a própria vida. E ao fazê-lo, confia na mentira e não na verdade, e assim mergulha com a sua vida no vazio, na morte. Amor não é dependência, mas dom que nos faz viver. A liberdade de um ser humano é a liberdade de um ser limitado e, portanto, ela mesma é limitada. Só a podemos possuir como liberdade compartilhada, na comunhão das liberdades: a liberdade pode desenvolver-se unicamente se vivermos do modo justo uns com os outros, e uns para os outros.

Nós vivemos do modo justo, se vivermos segundo a verdade do nosso ser, ou seja, segundo a vontade de Deus. Porque a vontade de Deus não é para o homem uma lei imposta a partir de fora, que o obriga, mas a medida intrínseca da sua natureza, uma medida que está inscrita nele e que o torna imagem de Deus e, assim, criatura livre. Se nós vivermos contra o amor e contra a verdade contra Deus então destruir-nos-emos uns aos outros e aniquilaremos o mundo. Então, não encontraremos a vida, mas defenderemos o interesse da morte. Tudo isto é narrado com imagens imortais na história do pecado original e da expulsão do homem do Paraíso terrestre.

III. UMA HISTÓRIA QUE SE REPETE

Estimados irmãos e irmãs! Se reflectirmos sinceramente sobre nós mesmos e sobre a nossa história, devemos dizer que com esta narração se descreve não só a história do princípio, mas a história de todos os tempos, e que todos trazemos dentro de nós próprios uma gota do veneno daquele modo de pensar explicado nas imagens do Livro da Génesis. A esta gota de veneno, chamamos pecado original.

Precisamente na festa da Imaculada Conceição manifesta-se em nós a suspeita de que uma pessoa que não peque de modo algum, no fundo, seja tediosa; que falte algo na sua vida: a dimensão dramática do ser autónomo; que faça parte do verdadeiro ser homem, a liberdade de dizer não, o descer às trevas do pecado e o desejar realizar sozinho; que somente então seja possível desfrutar até ao fim toda a vastidão e a profundidade do nosso ser homens, do ser verdadeiramente nós mesmos; que devemos pôr à prova esta liberdade também contra Deus, para nos tornarmos realmente nós próprios. Em síntese, pensamos que o mal no fundo seja bem, que dele temos necessidade, pelo menos um pouco, para experimentar a plenitude do ser. Julgamos que Mefistófeles o tentador tem razão, quando diz que é a força "que deseja sempre o mal e realiza sempre o bem" (J.W. v. Goethe, Fausto I, 3). Pensamos que pactuar com o mal, reservando para nós mesmos um pouco de liberdade contra Deus, em última análise, seja um bem, talvez até necessário.

O mal envenena sempre

Contudo, quando olhamos para o mundo à nossa volta, podemos ver que não é assim, ou seja, que o mal envenena sempre, que não eleva o homem mas o rebaixa e humilha, que não o enobrece, não o torna mais puro nem mais rico, mas o prejudica e faz com que se torne menor. É sobretudo isto que devemos aprender no dia da Imaculada: o homem que se abandona totalmente nas mãos de Deus não se torna um fantoche de Deus, uma maçadora pessoa conscientemente; ele não perde a sua liberdade. Somente o homem que confia totalmente em Deus encontra a verdadeira liberdade, a grande e criativa vastidão da liberdade do bem. O homem que recorre a Deus não se torna menor, mas maior, porque graças a Deus e juntamente com Ele se torna grande, divino, verdadeiramente ele mesmo. O homem que se coloca nas mãos de Deus não se afasta dos outros, retirando-se na sua salvação particular; pelo contrário, só então o seu coração desperta verdadeiramente e ele torna-se uma pessoa sensível e por isso benévola e aberta.

IV. DEUS ENGRANDECE O HOMEM

Quanto mais próximo de Deus o homem está, tanto mais próximo está dos homens. Vemo-lo em Maria. O facto de Ela estar totalmente junto de Deus é a razão pela qual se encontra também próxima dos homens. Por isso, pode ser a Mãe de toda a consolação e de toda a ajuda, uma Mãe à qual, em qualquer necessidade, todos podem dirigir-se na própria debilidade e no próprio pecado, porque Ela tudo compreende e para todos constitui a força aberta da bondade criativa. É nela que Deus imprime a sua própria imagem, a imagem daquela que vai à procura da ovelha perdida, até às montanhas e até ao meio dos espinhos e das sarças dos pecados deste mundo, deixando-se ferir pela coroa de espinhos destes pecados, para salvar a ovelha e para a reconduzir a casa.

Como Mãe que se compadece, Maria é a figura antecipada e o retrato permanente do Filho. E assim vemos que também a imagem da Virgem das Dores, da Mãe que compartilha o sofrimento e o amor, é uma verdadeira imagem da Imaculada. Mediante o ser e o sentir juntamente com Deus, o seu coração alargou-se. Nela a bondade de Deus aproximou-se e aproxima-se muito de nós.

V. A MENSAGEM DE MARIA

Assim, Maria está diante de nós como sinal de consolação, de encorajamento e de esperança. Ela dirige-se a nós, dizendo:
"Tem a coragem de ousar com Deus! Tenta! Não tenhas medo d'Ele! Tem a coragem de arriscar com a fé! Tem a coragem de arriscar com a bondade! Tem a coragem de arriscar com o coração puro! Compromete-te com Deus, e então verás que precisamente assim a tua vida se há-de tornar ampla e iluminada, não tediosa, mas repleta de surpresas infinitas, porque a bondade infinita de Deus jamais se esgota!".

Neste dia de festa, queremos agradecer ao Senhor o grande sinal da sua bondade, que nos concedeu em Maria, sua Mãe e Mãe da Igreja. Queremos pedir-lhe que ponha Maria no nosso caminho, como luz que nos ajuda a tornar-nos também nós luz e a levar esta luz pelas noites da história. Amém!


PAPA BENTO XVI

ANGELUS

Solenidade da Imaculada Conceição

Sexta-feira, 8 de Dezembro de 2006  

Celebramos hoje uma das festas mais bonitas e populares da Bem-Aventurada Virgem: a Imaculada Conceição. Maria não só não cometeu pecado algum, mas foi preservada até da herança comum do género humano, que é o pecado original. E isto devido à missão para a qual Deus a destinou desde o início: ser a Mãe do Redentor. Tudo isto está contido na verdade da fé da "Imaculada Conceição".O fundamento bíblico deste dogma encontra-se nas palavras que o Anjo dirigiu à jovem de Nazaré: "Salve, ó cheia de graça, o Senhor está contigo" (Lc 1, 28).

"Cheia de graça" no original grego kecharitoméne é o nome mais bonito de Maria, nome que lhe foi conferido pelo próprio Deus, para indicar que ela é desde sempre e para sempre a amada, a eleita, a predestinada para acolher o dom mais precioso, Jesus, "o amor encarnado de Deus" (Enc. Deus caritas est, 12).

Podemos perguntar: por que, entre todas as mulheres, Deus escolheu precisamente Maria de Nazaré? A resposta está escondida no mistério insondável da vontade divina.

Contudo há uma razão que o Evangelho ressalta: a sua humildade. Ressalta isto muito bem Dante Alighieri no último Canto do Paraíso: "Virgem Mãe, filha do teu Filho, / humilde e alta mais do que criatura, / fim firme do conselho eterno" (Par. XXXIII, 1-3).

A própria Virgem no "Magnificat", o seu cântico de louvor, diz isto: "A minha alma glorifica o Senhor... porque pôs os olhos na humildade da sua serva" (Lc 1, 46.48).

Sim, Deus foi atraído pela humildade de Maria, porque achou graça diante dos olhos de Deus (cf. Lc 1, 30). Tornou-se assim a Mãe de Deus, imagem e modelo da Igreja, eleita entre os povos para receber a bênção do Senhor e difundi-la a toda a família humana.

Esta "bênção" mais não é do que Jesus Cristo. É Ele a Fonte da graça, da qual Maria foi repleta desde o primeiro momento da sua existência. Acolheu Jesus com fé e com amor o deu ao mundo. Esta é também a nossa vocação e a missão da Igreja: acolher Cristo na nossa vida e doá-lo ao mundo, "para que o mundo seja salvo por Ele" (Jo 3,17).

Queridos irmãos e irmãs, a festa da Imaculada ilumina como um farol o tempo do Advento, que é tempo de vigilante e confiante expectativa do Salvador. Enquanto nos encaminhamos ao encontro do Deus que vem, olhamos para Maria que "brilha como sinal de esperança segura e de consolação aos olhos do Povo de Deus peregrino" (Lumen gentium, 68).


SOLENIDADE DA IMACULADA CONCEIÇÃO
DA BEM-AVENTURADA VIRGEM MARIA
PALAVRAS DO PAPA BENTO XVI

Praça de Espanha
Sexta-feira, 8 de Dezembro de 2006

Ó Maria, Virgem Imaculada! A liturgia celebra a tua Imaculada Conceição, mistério que é fonte de alegria e de esperança para todos os remidos.

Saudamos-te e invocamos-te com as palavras do Anjo: "cheia de graça" (Lc 1, 28), o nome mais bonito, com o qual o próprio Deus te chamou desde a eternidade.

"Cheia de graça" és tu, Maria, repleta do amor divino desde o primeiro momento da tua existência, providencialmente predestinada para ser a Mãe do Redentor, e intimamente associada a Ele no mistério da salvação. Na tua Imaculada Conceição resplandece a vocação dos discípulos de Cristo, chamados a tornar-se, com a sua graça, santos e imaculados no amor (cf. Ef 1, 14).

Em ti brilha a dignidade de cada ser humano, que é sempre precioso aos olhos do Criador.

Quem para ti dirige o olhar, ó Mãe Toda Santa, não perde a serenidade, por muito difíceis que sejam as provas da vida.

Mesmo se é triste a experiência do pecado, que deturpa a dignidade dos filhos de Deus, quem a ti recorre redescobre a beleza da verdade e do amor, e reencontra o caminho que conduz à casa do Pai.

"Cheia de graça" és tu, Maria, que aceitando com o teu "sim" os projectos do Criador, nos abristes o caminho da salvação.

Na tua escola, ensina-nos a pronunciar também nós o nosso "sim" à vontade do Senhor. Um "sim" que se une ao teu "sim" sem reservas e sem sombras, do qual o Pai celeste quis precisar para gerar o Homem novo, Cristo, único Salvador do mundo e da história.

Dá-nos a coragem de dizer "não" aos enganos do poder, do dinheiro, do prazer; aos lucros desonestos, à corrupção e à hipocrisia, ao egoísmo e à violência. "Não" ao Maligno, príncipe enganador deste mundo. "Sim" a Cristo, que destrói o poder do mal com a omnipotência do amor.

Nós sabemos que só corações convertidos ao Amor, que é Deus, podem construir um futuro para todos.

"Cheia de graça" és tu, Maria! O teu nome é para todas as gerações penhor de esperança certa. Sim! Porque, como escreve o sumo poeta Dante, para nós mortais, Tu "és fonte viva de esperança" (Par., XXXIII, 12). A esta fonte, à nascente do teu Coração imaculado, voltamos mais uma vez peregrinos confiantes para haurir fé e conforto, alegria e amor, segurança e paz


Homilia na Solenidade da Imaculada Conceição 2006

"Maria, a Imaculada"? Que tem este título a dizer-nos? A liturgia de hoje esclarece-nos, com duas imagens grandiosas: a da anunciação, no evangelho, e a do primeiro anúncio da salvação, na leitura do livro do Génesis. Comecemos pela imagem da Anunciação e escutemos, de novo, as palavras de saudação do Anjo: «Alegra-te, ó cheia de graça».

I. Eram palavras muito familiares a Maria, palavras que ela, pobre e simples, mulher do povo e mulher de fé, bem conheceria do profeta Sofonias; eram palavras conhecidas, porque dirigidas a um pequeno resto do povo, que permaneceu firme e fiel, face a todas as derrocadas da história. Maria fazia parte desse pequeno resto do Povo de Israel, que se manteve irrepreensível na santidade e firme na esperança do Messias. Em Maria, diríamos, está presente a melhor parte, a parte mais bela, desse pequeno resto, do verdadeiro povo de Sião. Se quiséssemos retomar o símbolo da casa e da árvore, com que marcamos a 1ª semana do Advento, podíamos dizer: Maria é a casa onde Deus quer habitar. É o lugar do seu repouso. Ou então, Maria é o rebento que, na obscura noite invernal da história, brota do tronco abatido de David. Diríamos que em Maria se cumpre aquela palavra do Salmo (67,7): "A terra produziu o seu fruto": Jesus, o fruto bendito do seu ventre. Maria é como que o botão, do qual deriva a nova árvore da redenção, a nova descendência dos redimidos.

II. A segunda imagem, bem mais difícil e obscura, aparecia-nos na primeira leitura do livro do Génesis. Voltemos, com paciência, ao texto:

a) Aparece-nos, na figura típica de Adão e Eva, a imagem de toda a Humanidade, a imagem do Homem: homem e Mulher, criados por Deus. Ambos, se deixaram seduzir pela ideia do poder, pela ideia de uma certa autonomia e liberdade. Eles são, no texto, a imagem do ser humano, que suspeita que Deus lhe tire algo da sua vida, ou da sua liberdade e que nós só seremos plenamente livres, quando O tivermos posto de lado e nos tornarmos independentes do seu amor.

b) Mas o texto sugere outra terrível tentação: a do Homem, homem e mulher, que não deseja receber de Deus a sua existência e a plenitude da sua vida. Quer extrair ele mesmo, da árvore da ciência, o poder de formar e dominar o mundo, de se fazer deus, elevando-se ao nível d'Ele. Aqui Adão e Eva fazem figura da Humanidade que não quer contar com o amor, para vencer o mal; o amor não lhes parece confiável; eles confiam unicamente na ciência, o que lhes dá o poder, com que desejam ter nas suas mãos a própria vida. E ao fazê-lo, confiam na mentira, e assim mergulham a sua vida no vazio e na desgraça.

III. Queridos irmãos e irmãs! Esta narrativa tão antiga descreve não só a história do princípio, mas a história de todos os tempos. Todos trazemos dentro de nós próprios uma gota do veneno daquele modo de pensar e de se comportar. A esta gota de veneno, chamamos pecado original. Este “veneno” inquinou, desde o princípio, o coração do Homem, e com ele se expandiu o mal. E todos experimentamos todos os dias os seus efeitos.

IV. Estaremos então condenados a sofrer a desventura de um pecado alheio? Seremos então vítimas, sem cura, dessa gota de veneno mortal que se transmitiu, de geração em geração, à espécie humana? Não. A mesma página que nos descrevia a queda da humanidade, também nos anunciava, em primeira-mão, a promessa de uma redenção. Lá se dizia que a Mulher havia de esmagar a cabeça da serpente. Da sua linhagem ou da sua descendência, nasceria o Filho de Deus. Assim, sobre a página mais negra da história, vislumbra-se já a alvura da Mulher Imaculada, e por meio dela, a aurora da nossa redenção!

V. A lição comum às duas imagens, é esta: Deus não falha. Ou mais exactamente: no início Deus falha sempre; deixa existir a liberdade do Homem, e este, na sua liberdade, diz continuamente "não". Mas a fantasia de Deus é inesgotável; a força criadora do seu amor é maior do que o nosso "não". Deus não falha, mesmo perante os fracassos sucessivos da Humanidade, pois daí tira novas oportunidades de uma misericórdia sempre maior, que se manifesta de geração em geração. A cada "não" humano é acrescentada por Deus uma nova dimensão do seu amor. Deus, no seu amor criativo e criador, encontra sempre novas formas para alcançar os homens, até encontrar em “Maria” o «sim» da nova Humanidade e no seu seio se fazer Homem.

VI. É sobretudo isto que devemos guardar no coração neste dia da Imaculada: em Maria, Deus faz-se Homem, para salvar o Homem! Maria diz-nos a todos que aquele que se abandona totalmente nas mãos de Deus, não se torna um fantoche de Deus e não perde a sua liberdade. O homem que recorre a Deus, não se torna menor, mas maior. Quanto mais próximo de Deus o homem está, tanto mais próximo está dos homens. Vemo-lo em Maria.

VII. O facto de Maria estar totalmente junto de Deus é a razão pela qual se encontra também próxima dos homens. Por isso, pode ser uma Mãe à qual, em qualquer necessidade, todos podem dirigir-se, porque Ela tudo compreende e para todos constitui a força aberta da bondade criativa de Deus. [Neste dia, creio que Maria se dirige a ti, dizendo-te]:
(podia ser uma voz feminina, a ler este texto, no final da Homilia)

"Meu filho:

Tem a coragem de ousar, com Deus!
Tenta! Não tenhas medo d'Ele!

Tem a coragem de arriscar com a fé!
Tem a coragem de arriscar com a bondade!
Tem a coragem de arriscar com o coração puro!

Compromete-te com Deus,
e a tua vida há-de tornar mais ampla e iluminada,
sem tédio nem tristeza,
repleta de surpresas e de maravilhas!

Estou contigo, meu filho, no teu caminho,
Sou para ti, portadora da luz
que te ajuda a atravessar as noites
da História e da Vida.
Iluminado pela Luz do Meu Filho,
leva esta Luz aos outros,
leva esta certeza e esta confiança,
de que Deus não falha.
E onde Ele está, está o Amor,
E onde está o nosso Deus,
cada Homem é livre, grande e maior”.

Amém!


Homilia na Imaculada Conceição 1992

1. Encontro e desencontro do Homem com Deus:

O grande sonho de Deus é viver no meio dos Homens. Esta é a sua alegria. Deus vem, por isso, a cada instante, ao nosso encontro, para nos falar, para nos ouvir, para se comunicar connosco.

Antes mesmo da Criação do mundo, Deus pensou em cada um de nós. Quis-nos com Ele, no diálogo, na amizade. Criou o mundo e ali nos colocou como pérolas da Criação. Assim, na Criação, Deus deu início à realização do seu sonho, vindo ao nosso encontro nos jardins da nossa Vida. Diante dEle, estamos em liberdade do amor, com a possibilidade de recusa. Deus não se impõe no seu Amor.

A humanidade, representada nestes dois personagens, Adão e Eva, deixou endurecer o coração e recusou viver na amizade de Deus. Foi o pecado: A recusa em depender de Deus, fonte de toda a Vida e de todo o Bem. Lá, bem nas origens, a Humanidade disse “não” ao sonho do Criador e perdeu-se fora de Deus nos jardins do mundo.

E Deus viu que a Humanidade precisava de salvação. Precisava de Deus. E, por isso, Deus voltou, de novo, ao encontro do Homem. Este escondia-se, porque diante de Deus, o pecado vem ao de cima, escondido na vergonha e no medo. O Homem, entregue a si próprio, só pode rastejar de corpo caído sobre a Terra, só e triste, perdido em conflitos e violências. Mas Deus não desistiu de nos salvar. Naquela mesma hora, hora dramática em que o sonho de Deus parecia desfeito, Deus rasga um clarão de esperança e anuncia uma boa-nova de salvação. Deus promete libertar o Homem, promete enviar o Salvador, ao Qual está particularmete associada a Mulher. Desta Mulher havia de nascer o autor da Vida. Ela daria à Luz a Salvação.

Os tempos passaram. Deus preparava a sua vinda. Chamou homens e mulheres, desde Abraão a Moisés, passando por Rute e Ester, até aos profetas. Deus formou o seu povo na esperança da salvação. Deus ia assim preparando a Terra que o havia de acolher. E começou Ele mesmo a preparar a sua habitação.

2. A preparação radical em Maria:

Sonhando ser um de nós e connosco, Deus preparou a sua morada, digna, santa e imaculada, onde o Altíssimo pudesse fazer-se Homem. Entre todos os pobres e humildes que esperavam a salvação, Deus encontrou uma Mulher. Mulher, que Ele mesmo preparou para ser sua Mãe. Preparou-a para ser sua Mãe. Preparou-a radicalmente, libertando-a do poder do mal, enchendo-a de toda a Graça, cumulando-a de todas as bençãos. Ela é a Cheia de Graça, a Imaculada. Ela foi a primeira a receber em plenitude a salvação que o Seu Filho ofereceria a todos os filhos de Deus.

Cheia de graça, eleita de Deus, sobre Ela recai toda a benevolência e todo o Dom que nos vem do Alto. Ao querer salvar todos os homens, Deus preparou uma Mulher, Maria, como primeira criatura a beneficiar desta salvação. Toda a Graça confiada a Maria, tem em vista este encontro feliz, esta resposta total e incondicional ao grande sonho de Deus: encontrar-se no Homem, com os homens para os salvar.

Ao contrário do desencontro, em Adão e Eva, primitiva humanidade, agora Deus obteve pleno sucesso numa criatura que disse “sim” ao sonho e acolheu com toda a docilidade a vontade de Deus. Com o seu “sim”, ora tímido mas confiante, para se tornar disponibilidade sem reservas, Maria refez o laço desfeito pelo “não” dos nossos primeiros pais.

3. Advento: preparar-se para o Encontro:

É Advento. Deus vem de novo até nós. Encontra-se com a nossa santidade e com o nosso pecado. Vem completar a salvação que nos foi oferecida no baptismo mas tantas vezes maculada no pecado. Deus vem encontrar-se com o nosso coração. Prepará-lo, como a sua verdadeira morada, para habitar em nós, como centro da nossa Vida. Queira Deus levar a bom termo obra tão boa começada em nós! Advento, tempo de preparar o nascimento de Cristo em nossas Vidas. Com Maria, caminhemos generosamente ao encontro do Senhor que vem!


Solenidade da Imaculada Conceição 1993

1. Do homem marcado pelo pecado...

Anda o homem de queda em queda, como peregrino do infinito. Há sempre, no caminho, uma pedra escondida na qual o homem tropeça sem esperar nem querer. Frágil de condição, pecador por natureza, caminha o homem como aprendiz do eterno, em busca de um outro mundo, de uma nova raça, de um novo viver. Eis uma luta permanente, constante. Parece, às vezes, que nada pode o homem contra o seu destino. Marcado pelo pecado, carrega em si a miséria da sua pequenez, a humilhação de homem vencido pelo mal, derrotado pela sua fraqueza e impotência. É assim desde o princípio. Nada de original na queda original. É o homem ferido quando tenta subir acima de Deus, saltar para fora dEle, querendo-se por sua conta e risco. Quis o homem dispensar-se da força e da presença de Deus neste caminho e logo mergulhou no abismo do seu nada, logo percebeu que sem Deus tudo em si e à sua volta se tornara sem beleza nem encanto. É isto o pecado das origens. Querer fazer caminho sem Deus, viver sem Ele, à sua margem. Desde o princípio o homem traz em si esta «marca», «este defeito de fabrico»,esta inclinação para o pecado. Todos o experimentamos.

2. Ao homem salvo pela graça de Deus em Cristo

Diríamos então ser o homem uma criatura condenada por natureza, vítima da sua condição, irremediavelmente perdido? Não. Na hora em que o homem parecia irremediavelmente perdido, escutamos o anúncio da salvação, o anúncio do «sim» de Deus, da fidelidade absoluta de Deus ao seu Amor.Mil vezes o homem diz «não» e cai, mil vezes mil Deus repete o seu «sim» de amor e ternura. Ao anunciar a vitória futura do Homem novo sobre o mal, Deus anunciou o aparecimento da nova Mulher que lhe havia de dar carne e coração. Maria, a Mãe do Salvador.

3. A começar em Maria, «cheia de graça»

Quis Deus vir até nós e vestir a nossa pele, sofrer na nossa Carne. E para o fazer preparou a sua morada, escolheu uma Mulher, cumulou-a de todas as bênçãos, encheu-a de toda a graça. Libertou-a do peso do pecado, salvou-a tendo em vista a obra redentora de seu Filho. Maria é a primeira criatura salva em Jesus Cristo. Ela é a primeira beneficiária do dom absoluto da graça de Deus, do «sim» irrevogável de Deus à Humanidade. NEla Deus refez toda a história, iniciou um tempo novo, em que o homem, embora marcado pelo pecado, vive superiormente animado pela graça.

O poeta Calderón de la Barca diz a dada altura: «Há uma pedra de tropeço no caminho da Vida na qual caem todos os homens. Todos caem mas um ser bondoso os acolhe, cura e salva de suas feridas. Mas ao chegar Maria, Ele a previne para que evite o passo fatal e não seja ferida. Tudo isto em atenção aos méritos do Redentor de quem ia ser Mãe».É um pouco isto o alcance e o significado do dogma da Imaculada Conceição. Há uma criatura da nossa raça que desde o princípio da sua existência permanece na Luz e nunca diminuiu o seu esplendor. Houve alguém sobre quem recaiu o olhar benevolente de Deus e que foi escolhida como digna morada de seu Filho. Esse alguém é Maria, a Mulher Prometida, de quem havia de nascer o Salvador, esse sim, que na Cruz venceu o poder mortífero da serpente e esmagou a força destruidora do mal. Essa vitória chegou ao coração e à vida de cada homem, desde o acontecimento do seu baptismo. Mergulhado nas águas da Vida e enxertado em Jesus Cristo, o homem participa da sua vitória e é acolhe a graça. Desde o baptismo, cada homem, salvo, santo e imaculado, sabe que faz o seu caminho, não como um desgraçado sem esperança de salvação, mas como peregrino salvo e redimido, herdeiro do dom, agraciado pela vida de Deus. E nenhuma queda nos será fatal.

Nesta esperança caminhamos em direcção à Luz. Está entre nós, connosco e à nossa frente, a Mãe, a abrir corações, que sejam neste tempo e neste mundo digna morada de seu Filho.


Homilia na Imaculada Conceição de Nossa Senhora 1994

1. O homem afastou-se de Deus e teve medo...

«Ouvi o rumor dos vossos passos. Tive medo e escondi-me»! Eis o homem. O homem frágil que se quis fora de Deus. Eis o homem que julgou poder viver enraizado nas suas próprias forças, guiado pelas suas ideias. Eis o homem que rejeitou viver na «companhia» do seu Deus e se encontra agora na mais dolorosa solidão. Eis o homem perdido no seu des-caminho, o homem desesperado da sua condição, sem esperança de remédio. Eis o «homem primeiro», vítima do mal radical: querer erguer a sua vida, seguro de si, à sombra das suas possibilidades, recusando Deus como fonte do seu ser e luz do seu agir. É este mesmo homem que se confessa diante de Deus: «Ouvi o rumor dos vossos passos. Tive medo e escondi-me». Diante de Deus que passa pelo silêncio do seu coração, o homem retrai-se, tímido e temeroso. «Tive medo e escondi-me»! Diante de Deus está diante da sua Verdade. «Estava nu e tive medo»!

2. Deus «vem» para libertar do medo, para salvar!

Mas é a este homem, perdido no seu pecado, sem esperança de salvação, é a este homem que Deus vem. Deus aproxima-se com a ternura dos seus passos delicados. Aproxima-se para tocar o homem na sua verdade mais profunda. É a este «homem» que Deus vem anunciar que «este mal radical não é fundamental nem definitivo». Vem dizer-lhe que o quer salvar, que o quer «elevar com o seu amor redentor, um amor que é sempre maior que o seu pecado». Na hora da perdição, Deus vem e traz a primeira boa nova da salvação: Da descendência da mulher, outra Mulher havia de aparecer. DEla havia de nascer Aquele que esmagaria o poder do mal.

A condição humana votada à desgraça pode deixar de ter medo. «Não ter medo porque o homem foi redimido por Deus. A força da Cruz de Cristo e da sua Ressurreição é maior do que qualquer mal de que o homem possa ou deva ter medo». Herdeiro do pecado, em Cristo o homem torna-se herdeiro da graça.

3. A graça da salvação espelhada na Imaculada

Esta graça da salvação, operada para nós na morte e Ressurreição de Cristo, espelha-se de maneira singular em Maria, Santa e Imaculada... Aquela que havia de conceber em seu seio o Salvador do Mundo. Imaculada desde a sua Conce(p)ição, Maria é assim a primeira redimida em Cristo. Quer dizer, a salvação oferecida em Cristo é oferecida primeiro a Maria e a ela oferecida de maneira radical. Tal significa que Maria é isenta não somente daquele mal que o homem experimenta diariamente nos seus pecados, mas é também liberta daquela «condição de pecado» que torna o homem pecador. Maria é a primeira, não só no tempo como na perfeição, a beneficiar da salvação de Deus em Cristo. Tendo em vista preparar uma digna morada para seu Filho, Deus encheu Maria de toda a graça. E a grandeza de Maria está no puro acolhimento e na fidelidade a este dom, na sua plena correspondência ao amor de Deus que a elegeu. Dizer «Imaculada Conceição» quer dizer que o mal no mundo deixou de ser irreversível... A obra de Cristo já o venceu, uma vez que Maria pôde nascer «cheia de graça»...

4. Para não ter medo de Deus e da nossa verdade!

Por isso, a nós que temos medo até do futuro por causa do pecado, Deus vem abraçar-nos com o seu amor redentor e dizer a cada um, como a Maria: «Não tenhas receio». «Não tenhais medo do mistério de Deus...Não tenhais medo dos homens. O homem é sempre igual. Não tenhais medo da fragilidade do Homem nem da sua grandeza. Não devemos temer a verdade sobre nós próprios. Não tenhais medo daquilo que vós mesmos criastes, não tenhais medo nem sequer de tudo o que homem produziu e se revela cada vez mais um perigo. O homem não cessa de ser grande, nem sequer na sua fragilidade. Não tenhais medo de ser testemunhas da dignidade de toda a pessoa humana, desde o momento da sua concepção até à morte. Não devemos temer a verdade sobre nós próprios. Não tenhais medo de Deus. Invocai-o como Pai, «o Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, que lá do alto dos Céus nos abençoou e nos escolheu, antes da Criação do Mundo, para sermos santos e irrepreensíveis», (Ef.1,3) como Maria, a cheia de graça!


Homilia na Imaculada Conceição
no II Domingo de Advento B 1996

Quem cala, consente! A voz de Deus ecoa silenciosa no coração de uma Mulher. Tudo tão simples e tão extraordinário. Um prodígio de maravilha, à sombra do silêncio. Do silêncio de Deus donde brota a Palavra. Do silêncio de Maria onde a Palavra se fecunda.

Sempre a iniciativa de Deus Criador que vem primeiro. Só depois, o assentimento livre da sua criatura. Sempre... Deus vem. E vem primeiro. Abeira-se do homem. E o simples rumor dos seus passos prepara a criatura para o encontro com Ele. E é sempre Ele a abrir caminho, a avançar, a vencer os obstáculos, a esmagar tropeços, a derrubar os muros, a aplanar o terreno, a preparar a sua morada. É sempre Deus a vir, à procura de abrigo, de espaço donde a sua Palavra há-de ressoar na Carne do Mundo.

Deus está primeiro e é maior do que nós. Foi Ele que pensou em Maria para digna morada de seu Filho; e neste sentido, a preparou, libertando-a de toda a mácula, enchendo-a de toda a graça. Pensando nEla, para digna morada de seu Filho, Deus quis Maria preservada de todo o pecado, liberta de todo o mal; desejou-a pura, santa e imaculada. Assim, Deus realizou primeiro em Maria, de modo absolutamente singular e pleno, a salvação que a todos seria oferecida.

E Maria, ali, sozinha e calada, sem sombra de pecado; sem nada fazer, sem nada medir, sem nada pedir. Se, da parte de Deus, tudo é dom, tudo é graça, tudo é benevolência, amor gratuito, da parte de Maria, tudo é assentimento livre, consentimento calado, acolhimento puro. Apenas um «sim», a resposta livre e serena à graça recebida. Mais uma vez, Deus primeiro. Primeiro, o «sim de Deus» ao homem. Depois, «o sim do Homem a Deus». E pela primeira vez na História da salvação, em Maria, a perfeita harmonia entre «o sim Deus» e «o sim» da criatura humana». Maria é assim «puro advento», puro acolhimento da graça, pura aceitação do dom, puro coração aberto e envolto pelo amor divino. Em Maria, se manifesta o agir e o querer de Deus. É Deus que tudo faz. E ao homem só é pedido, que deixe Deus fazer, que deixe Deus vir, chegar e vencer...


Homilia na Solenidade da Imaculada Conceição 1998

Regresso ao futuro. Parte II. Continuamos, em Advento, a divisar horizontes de futuro. Voltamos à esperança, a essa flor de advento, pondo, de novo, novas questões: porquê, em vez do sonho realizado de um mundo novo, o pesadelo sofrido de um velho mundo? Porquê, tão distantes do país real as promessas da pátria prometida? Porquê, o deserto da dor em vez do jardim da alegria? Porquê esta demora e esta espera? Não será que Deus se enganou? E as suas Promessas não terão hoje de ser revistas?

Talvez o cenário da 1ª leitura nos ofereça uma resposta, que poupe Deus à vergonha de uma Promessa há tanto tempo por cumprir! Lá, nas origens, quando e onde nem sequer havia jardins proibidos, Deus andava de braço dado com o Homem. Ali, o homem vivia sem medo de rumores inimigos, metendo mãos à obra do Criador. De repente, foi tentado a largar a mão amorosa de Deus, que o fazia crescer, para se entregar sozinho à aventura de uma vida, sem projecto, à sua pequena medida. Quis-se fora de Casa, como Filho rebelde, a viver dos rendimentos recebidos. E, sem se dar conta, alienou a sua vida, pelo preço da sua liberdade. O Dom maior, pelo qual Deus não se impunha mas se oferecia em amor, - a sua liberdade - perdia-se nas teias do orgulho próprio. E, por isso, Deus, fiel a si mesmo, veio de novo. Para recuperar o perdido, para reconstruir a liberdade humana, com a força da sua graça e do seu perdão.

Doravante, esta Terra Prometida da Liberdade, este futuro de sonho, é uma obra que Deus não construirá nunca sem a nossa livre colaboração. É como se, no profundo respeito pela nossa liberdade, Deus dissesse de uma vez para sempre ao Homem: «Eu que te criei sem ti, não te salvarei sem Ti... O meu Reino não se construirá sem a tua liberdade... E a tua liberdade não se resgatará sem a minha graça». Deus, não esperou mais, que encontrar na Terra uma criatura de sonho, onde a sua graça se encontrasse com a nossa liberdade. E foi assim, que na aurora dos novos tempos, Deus «achou graça» a Maria. E «encheu de sua graça» a Virgem de Nazaré. Na cena da anunciação, desenha-se o quadro perfeito do encontro entre a graça de Deus e a liberdade humana de Maria. Deus vem e saúda. «Avé, ó cheia de graça»... Interpela Maria, como filha predilecta do seu amor, e chama-a a responder livremente. Num profundo diálogo de Amor, Maria acolhe a mensagem como surpresa e não como um facto inevitável. Deus não se impõe. Oferece-se no Dom de um Filho. E Maria, tocada pela graça daquele encontro, deixa-se possuir pela força de tão grande amor. Acolhe Jesus, no seu coração, com liberdade própria.

É uma liberdade consciente, que se deixa «perturbar» e interrogar: «como será isto». Mas ao mesmo tempo, uma liberdade, que não se isola na solidão e na concentração sobre si mesma, mas antes se derrama com generosidade, em relações autênticas: com o Pai que a premiou, com o Filho que nela se começa a gerar e com o Espírito que a cobre com a sua sombra. É uma liberdade humilde, que reconhece a sua dependência amorosa: «eis a serva do Senhor». E, por fim, uma liberdade ousada e capaz de confiar: «Faça-se em mim, segundo a tua Palavra»...

Em Maria, a perfeita liberdade do amor, devolveu aos homens a esperança de um mundo novo. Nela, Deus deu corpo e alma à nossa esperança, na Carne de Jesus. Hoje, a nossa Esperança só espera mesmo é por nós. Por um «sim» livre... que deixe afinal Deus cumprir o que prometeu...


Homilia na Imaculada Conceição 1999

1. «Onde estás»? É a primeira pergunta de Deus ao Homem! Como se carinhosamente o Criador lhe tocasse os ombros, com a mão direita, e lhe levantasse a cabeça com o seu olhar e o interrogasse: «Que tens? Porque estás tão triste?! Tão triste e só, perdido nos passos dos jardins proibidos?»... E o Homem, que no fundo da sua miséria, pressente a voz do seu Criador, ouve o rumor dos passos de Deus. Tem medo. Acha-se nu, envergonhado de si próprio, cercado na sua própria solidão. Sem que ele o saiba exprimir, o silêncio de Deus pesa-lhe. Sim, o frio e as trevas encontram-se antes de mais nada no coração do homem que experimenta a tristeza. À pergunta do Criador, o Homem responde, com o sabor amargo do fruto proibido: «a mulher que me destes por companheira deu-me do fruto da árvore e eu comi»... De repente, o Homem parece encontrar uma saída, para se desculpar. E em vez de abrir uma ponte entre Ele e Deus, entre Ele e a Mulher, ergue um muro. O muro da vergonha, que o separa da esposa e o afasta ainda mais de Deus...

2. E o Senhor, volta-se depois para a Mulher, seduzida pelo Mal, parecendo repetir o diálogo, com esta pergunta «Que fizeste? Que se passa entre um e outro? Que se passa entre vós e Mim?»... A Mulher, fazendo orelhas moucas da voz calada da consciência, transforma a serpente em “má da fita”. «A serpente enganou-me e eu comi». O muro enterrou-se ainda mais nos alicerces! O laço do amor torna-se um nó cego a prender um e outro à sua miséria. No fim, parece a história dos três tristes: Deus desencantado, o Homem envergonhado e a Mulher espezinhada!

3. Mas não. Deus não deixa o homem preso ao laço do inimigo. Não o deixa esganado no nó cego do seu pecado. Não o deixa cercado no muro da sua vergonha! Deus anuncia a salvação. Promete destruir o mal pela raiz. E «da descendência da Mulher – diz Ele – é que há-de vir Aquele que esmagará» o poder tirano da tristeza e do pecado. E assim foi... Deus voltou ao diálogo com a sua criatura humana. Fez ouvir, de novo, o rumor silencioso dos seus passos e veio ao encontro de outra Mulher. Entrou onde Ela estava, sem perguntar «onde estás?», ou «que fizeste?». Porque sabia que estava inteiramente nEle e que lhe obedecia com amor. Por isso, as palavras de Deus, na boca do Anjo, são o anúncio feliz da salvação. «Alegra-te, ó cheia de graça, o Senhor está contigo; bendita és tu entre as mulheres»...

Maria não teve medo nem se escondeu. Procurava apenas entender o sentido daquelas palavras e Deus parece disposto a explicar-se: «És feliz, Maria, porque te quis, em primeiro lugar! És, de facto, a predilecta do meu amor! És feliz, porque te deixaste seduzir pela beleza do meu amor divino. És feliz, porque és, entre todas as criaturas, a primeira que Eu quis sã e salva, no amor de meu Filho. És feliz, porque foste procurada e achada como digna morada de meu Filho. És feliz, porque sem sombra de pecado, és possuída pela força do altíssimo»... Isabel, dias mais tarde, receberá Maria em sua casa e, lendo à tona dos olhos da Virgem a graça de tamanha alegria, sente o menino saltar-lhe no seio e exclama: «És feliz, Maria, porque acreditaste, és feliz porque acolheste e não duvidaste, és feliz porque obedeceste e não fugiste, és feliz porque entre ti e Deus não há muro de vergonha; Tu és, ó Maria, como um enorme cristal onde se espelha a graça, onde Deus nasce e entra, como o Sol pela vidraça»!

4. No «sim» de Maria, Deus desfez o nó cego do nosso pecado, o nó daquele «não», dado pela nossa mais velha humanidade. E, ao poder dar-nos, por Maria, o seu Filho, Deus refez o laço que nos une para sempre a Ele e aos nossos irmãos. Deus abençoou a nossa Terra, quando, pelo «sim» de Maria, lhe enviou o Salvador! Em Maria, Deus fez o que, de todo, nos parecia impossível: derrubou o muro da nossa vergonha e da nossa separação. E deu-nos o Salvador.

5. Maria, é por isso, causa da nossa alegria! Causa de uma história de amor, da qual todos saímos sãos e salvos. Por causa daquele «sim» de Maria, Deus pôde fazer maravilhas, sem nenhum impedimento. Pôde devolver ao Homem triste, só e envergonhado, o rosto da alegria! Com razão, Maria pôde cantar: «A minha alma glorifica o Senhor e o meu Espírito se alegra em Deus meu Salvador». Maria, causa da nossa alegria, rogai por nós pecadores!


Homilia na Imaculada Conceição 2000

1. Deus, que se queria Homem, fez-se ao encontro de uma Mulher. Havia muitos séculos que Deus desenhara, sonhara e prometera uma humanidade nova, depois do velho pecado das origens. Deus encontra agora, na plenitude dos tempos, uma criatura, uma Mulher, de nome Maria, inteiramente livre. Não livre de Deus, como a primitiva Mulher, seduzida e sedutora. Mas uma Mulher inteiramente livre para Ele, livre de tudo para Deus.

Deus, o Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, vem, por isso, de mansinho ao encontro da Filha Predilecta, para ser sua Mãe. E encontra em Maria a plena correspondência ao seu amor. Encontra em Maria, a «cheia de graça», a criatura humana sem sombra de pecado, nem mancha de negação. Ela responde sem entraves. Livre de si mesma, consente prontamente: «Faça-se em Mim, segundo a tua Palavra». Este fiat de Maria - «faça-se em mim» - decidiu, da parte humana, o cumprimento do mistério divino. Na Anunciação, de facto, Maria entregou-se a Deus completamente, manifestando «a obediência da fé» Àquele que lhe falava. Ela respondeu, pois, com todo o seu «eu» humano e feminino. E assim deu corpo ao sonho divino de um Homem novo!

2. O relato da Anunciação, que acabámos de ouvir, não é, por isso, uma história de embalar. É um quadro, onde São Lucas, tentou exprimir o encontro perfeito entre a liberdade humana e a graça de Deus. O «Sim» de Maria é o «consentimento» livre da Criatura, diante da generosa surpresa do Criador. Maria pronunciou este «fiat» mediante a fé. Foi mediante a fé que ela «se entregou a Deus» sem reservas e «se consagrou totalmente, como escrava do Senhor, à pessoa e à obra do seu Filho». E este Filho — como ensinam os Padres da Igreja — concebeu-o na mente antes de o conceber no seio: precisamente mediante a fé!

Maria escuta, acolhe, crê, entrega-se. É um caminho livre de qualquer segurança, uma espécie de salto no escuro, onde caminha guiada, sem qualquer apoio, passo a passo, no rasto da sombra de uma mão poderosa, que a toca e cobre, mas que Ela não vê nem domina. Na fé vence o medo da solidão e avança, dia a dia, sem contar com ninguém, na certeza firme de que, mesmo sem conhecer homem, não está só. Vai, como o nosso Pai Abraão, livre de qualquer recompensa, fiada apenas na Promessa dAquele que a escolhera e chamara, para ser a Mãe do Filho de Deus e mãe de todos os viventes.

3. Na altura de construirmos o Presépio, importa não esquecer mais esta verdadeira «Estrela» que nos guia do caminho da fé. Já vemos por aí muitos presépios sem Menino, sem Maria e sem José. Presépios de muitas estrelas e neve de enfeitar. Mas “torna-se perfeitamente compreensível que desejemos neste período voltar-nos de modo especial para Aquela que, na noite da expectativa do Advento, começou a resplandecer como verdadeira Estrela da Manhã (Stella Matutina). Assim como esta estrela, conjuntamente com a aurora precede o nascer do Sol, assim também Maria, precedeu na História do género humano, a vinda do Salvador, o nascer do Sol da Justiça” (Red. Mat.3).

Em pleno Advento, Maria é Estrela no caminho da fé. Daquela fé, que consente no silêncio e diz «sim» à Palavra, daquela fé que se prontifica a acolher a surpresa de Deus e a caminhar sem sinal nem garantia. Daquela fé que dispõe e torna o coração livre, de qualquer empecilho, recompensa ou condição, para dar lugar a Deus e a Ele somente. Sobretudo daquela fé que acredita na força de um «sim» que pode transformar o mundo. Por muito pequeno e escondido que ele seja.

“Maria será para os cristãos a Estrela que lhes guia os passos com segurança ao encontro do Senhor”! (TMA 59). Quanto a nós, “basta um «sim», um passo, para (a) Ele chegar”!


Homilia na Solenidade da Imaculada Conceição 2001

1. E o sentinela, desprevenido, recebeu a visita de Deus, à hora que menos lhe calhava. Sem tempo, para se arranjar, sem palavras para se desculpar, o Homem esconde-se na sombra da mulher. Nem as distracções da vida, nem o seu passeio pelos jardins proibidos, calam, de vez, o sinal de alarme que ressoa lá, bem no íntimo de si mesmo. Uma vez posto fora da porta do coração pelo Homem, Deus entra-lhe pelo postigo da consciência. «Ouvi o rumor dos vossos passos e tive medo». Deus, mais uma vez, não se fez avisar, com o ruído de nenhuma trombeta. Um simples rumor, uma simples pergunta, «onde estás», provoca uma forte inquietação, «que fizeste». Isto sobra para agitar o coração do Homem, para o fazer sentir a necessidade de salvação. Deus vem, assim, de mansinho, ao encontro do Homem, não para meter medo, mas para nos deixar nus, diante dEle. Vem para nos libertar do medo, da angústia e do pecado. Vem, na noite dos tempos antigos, deixar a Promessa dos novos tempos. «Da descendência da Mulher», havia de nascer Aquele que esmagaria, de uma vez por todas, o poder definitivo do mal. O Homem teria de esperar. Deveria esperar. Permanecer de sentinela, juntar-se a outros, fazer-se povo, através dos séculos, na espera atenta do Messias, nascido de uma Mulher.

2. E este povo, de «degradados filhos de Eva», esperou a hora da Promessa, a chegada do Messias. Com a ajuda dos profetas, sentinelas de Deus, acordavam, cada dia, para esta esperança. E sonhavam pelo dia do Senhor. Maria de Nazaré, filha deste Povo, encarnava, na perfeição, a esperança da sua gente e da sua terra. Ela era verdadeiramente a «filha de Sião». Estava de sentinela, de vigia e de vigília, guardada para essa chegada. Até que o Senhor veio. Entrou nela como o Sol pela vidraça. E olhou para a sua humilde serva. Toda ela era espera, desejo, acolhimento, abertura, disponibilidade, toda-ouvidos, toda coração, toda pura, a «cheia de graça». Deus, que já tinha marcado a sua hora, para a encarnação de seu Filho, chama agora Maria, para ser sua Mãe. Deus vem primeiro e agora só espera licença para entrar. E Maria, não se fez rogada. Estava preparada e acordada para este encontro de Deus com a História dos Homens. Ela é a primeira, a «estrela da manhã», a anunciar o nascer do Sol da Justiça, Cristo, nosso Senhor. Primeira a acordar, quer dizer, a dar o coração... primeira a sentir a presença e a consentir nela. Primeira a ser redimida. A primeira a receber a prenda do Natal, que Deus reservava para todos nós, em seu Filho Jesus Cristo. Maria recebe esta graça antes de nós, melhor do que nós, de modo radical e por causa de nós.

3. Neste tempo de Advento, a Igreja olha para Maria, como «aurora» da redenção, como o primeiro sinal da sua chegada. Para dar conta da presença de Deus é preciso estar ali, detido, aos pés de Maria, à espera do impossível. Com o mesmo desejo de salvação, com a mesma atenção silenciosa, com a mesma abertura generosa, com a mesma ânsia da hora de Deus. Ela é a Virgem da Expectação, a Senhora do Ó, a mãe grávida, preparada, como digna morada, para receber o Filho e ansiosa para o dar à Luz. A Igreja mira-se, assim, neste tempo de Advento, em Maria, e aprende dela a esperar! Com as exclamações de espanto e de maravilha, e ao mesmo tempo, de espera e de desejo, que é costume rezar-se nas vésperas dos dias que antecedem o Natal. Diante da imagem da Senhora do Ó, podemos encarnar este desejo, que foi seu. E rezar:

- Ó Sabedoria do Altíssimo, que tudo governais, com firmeza e suavidade!
R. Vinde ensinar-nos o caminho da salvação!
- Ó Chefe da Casa de Israel, que no Sinai nos destes a Lei de Moisés!
R. Vinde resgatar-nos com o poder do vosso braço!
- Ó Rebento da raiz de Jessé, sinal erguido diante dos Povos!
R. Vinde libertar-nos. Não tardeis mais!
- Ó Chave da Casa de David, que abris e ninguém pode fechar, fechais e ninguém pode abrir!
R. Vinde libertar os que vivem nas trevas nas sombras da morte!
- Ó Sol nascente, esplendor da Luz eterna e Sol de Justiça!
R. Vinde iluminar os que vivem nas trevas e na sombra da morte!
- Ó Rei das nações e pedra angular da Igreja!
R. Vinde salvar o Homem que formastes do pó da terra!
- Ó Emanuel, nosso Rei e Legislador, esperança das nações e Salvador do Mundo! R. Vinde salvar-nos, Senhor, nosso Deus!


Homilia na Solenidade da Imaculada Conceição 2002
II Domingo de Advento B

1. Não sabemos bem quando tudo começou ou se deu. Nem como tal se gerou e – diz o primeiro livro da Bíblia – afinal aconteceu. Mas sabemos exactamente “como” tudo acabou. O Homem, homem e mulher, deixaram-se vencer, pela pressa de ser e de crescer, pelo orgulho de mais ter e de tudo saber, pelo desejo de agir e de seguir os seus passos, fora do olhar amoroso de Deus. Mas quando um e outro julgavam ter chegado com um dedo ao céu, deram-se conta de estar já a pisar a dura terra da solidão. Nessa hora negra da nossa história original, ainda a noite começava e já Deus prometia e anunciava, no preciso Jardim da Criação, um tempo novo, o dia da salvação.

2. Desde então, foi longo, muito longo, o tempo da espera e da preparação. Séculos dos séculos sem fim. Nem os medimos bem. Nem importa se cem… ou quantos além, se «um dia diante do Senhor é como mil anos e mil anos como o dia de ontem que já passou». Importa que a humanidade inteira ficou à espera, prisioneira de um mal que se lhe apegou. Mas certa de que Deus tarda, mas não falta ao que nos prometeu.

3. Esta esperança fez um Povo, que vivia de uma Promessa, que Deus ainda não pagou. Na história antiga deste Povo de Deus havia a esperança, que da descendência de uma Mulher, havia de nascer o Salvador, Aquele, que tem o poder de esmagar a cabeça e vencer o poder do mal, pela raiz. Uma e outra vez, parecia que era desta, e de vez, Mas não. Também Deus, no tempo da sua paciência, soube esperar, sem nunca desistir ou se cansar. Até, um dia, parar e reparar que, algures, em Nazaré, estava a Mulher que Ele mesmo pensou e preparou, para ser a digna morada do seu Filho: Maria.

4. E eis-nos agora em Nazaré. E a gente nem sabe porque é, ali. Apenas se vê bem porquê, pois Deus é tudo e faz o que quer, numa virgem que Lhe dá um «sim» livre e consciente, de filha, de Mãe e de Mulher. Ela é a última na fila de um Povo inteiro, que há muito esperava pelo Messias. Mas é a primeira, porque mais O deseja, como ninguém. Ela quer tanto deixar Deus ser, vir e vencer, que, sem contar, apressa a sua chegada. E Deus, de uma passada, desce do seu coração imaculado ao ventre materno, para gerar nela o Filho Eterno, sem nenhum brado, sem nenhum pranto. Tudo num silêncio humilde onde Ela guarda o rumor divino e o segredo inefável do seu único amor. E basta um «sim», sem nada exigir, nem consultar, para o caso, nenhum dos «seus», para se tornar fruto do seu ventre puríssimo, Jesus, o Filho de Deus.

5. Maria, neste Advento da preparação e da espera da vinda do Salvador, aparece-nos, Mulher grávida, Mãe em expectação, como verdadeira «Mãe da espera». Ela «está de esperanças», para usar uma expressão tão antiga e tão bela. Como diz a Liturgia, «Ela esperou com inefável amor» o Messias Prometido. Esperou-o e, pela sua santidade de vida, alcançou-o. «Sem pecado nem motivo algum de censura», «apressou a vinda do dia de Deus». Ela é como a aurora que descerra a noite escura. E anuncia a Luz, que vindo a este mundo, é mais clara que o dia.

6. Quem nos dera um desejo assim, tão desnudado de tudo, como o de Maria, tão cheio dAquele Menino Deus que está por vir. O homem do novo milénio experimenta esta tensão entre o querer tudo e o já não esperar nada. Falho de paciência, para o que demora e não chega na sua marcada hora. De certo modo, tornamo-nos incapazes de uma verdadeira espera, ou porque vivemos no imediato e conformados com tudo isto, ou porque desesperados, já não estamos realmente empenhados na vinda de N.S.J. Cristo.

Precisamos tanto de aprender de Maria esta espera, activa e «empenhada». Numa vida santa e imaculada. Esperar, como Mãe, cujo amor cresce tanto mais, quanto mais espera o Filho, que lhe está para nascer. Olhai, que basta então parar e até reparar… que é preciso ter pressa e vontade segura de a Ele chegar…


Sermão a Nossa Senhora da Conceição, em Fregim

«Senhor, nosso Deus, pela Imaculada Conceição da Virgem Maria,
preparastes para o vosso Filho, uma digna morada
(cf. Oração Colecta)!

1. Era assim, neste espírito de preparação para a vinda do Salvador, que rezávamos no início da Eucaristia, que neste Domingo de Advento celebrámos. A Solenidade da Imaculada Conceição há-de ver-se e viver-se, neste preciso clima de preparação, de intensa espera e de desejo ardente, da primeira, da permanente e da última vinda do Salvador. Se há um tempo litúrgico “mariano” por excelência, é este do Advento. Neste II Domingo, reunimo-nos aqui, sob o manto e o olhar de Maria, que viveu esta espera «com inefável amor» (Pref. Advento II), e por isso nos pode «conceder a graça de «caminharmos generosamente ao encontro de Cristo», (Oração Colecta do II Domingo de Advento) seu Filho.

2. Como viveu Maria esta espera do Messias?

a) Viveu-a, antes de mais, como filha de um Povo.

Maria faz parte do Povo de Deus. Ela é a verdadeira Filha de Sião; filha de um Povo que trazia, desde as origens a marca do pecado, mas também voltado para o futuro, na esperança da salvação. Na história antiga deste Povo de Deus, esta esperança, estava além do mais ligada, segundo a Promessa, à descendência de uma Mulher, da qual havia de nascer o Salvador, Aquele, que tem o poder de esmagar a cabeça e vencer o poder do mal, pela raiz. Uma e outra vez, parecia que era desta, e que era de vez, que a Promessa se cumpria. Mas não. Também Deus, no tempo da sua paciência, soube esperar, sem nunca desistir de nós, nem se cansar. Até, um dia, o próprio Deus parar e reparar que, algures, em Nazaré, estava a Mulher que Ele mesmo pensou e preparou, para ser a digna morada do seu Filho: Maria.

Foi Deus que pensou em Maria para digna morada de seu Filho; e neste sentido, Ele próprio a preparou radicalmente, libertando-a de toda a mácula, enchendo-a de toda a graça. Pensando nEla, para digna morada de seu Filho, Deus quis Maria preservada de todo o pecado, liberta de todo o mal; desejou-a pura, santa e imaculada. Toda a graça confiada a Maria, tem em vista este encontro feliz de Deus com a sua criatura, esta resposta total, este «sim» incondicional da pessoa ao seu desígnio de amor e de salvação.

Diríamos que Maria é a última na fila de um Povo inteiro, que há muito esperava pelo Messias. Mas é a primeira, pois O deseja, como ninguém. Ela quer tanto deixar Deus ser, vir e vencer, que, sem contar, lhe apressa a sua chegada. E Deus, de uma passada, desce do seu coração imaculado ao ventre materno, para gerar nela o Filho Eterno, sem nenhum brado, sem nenhum pranto. Tudo num silêncio humilde onde Ela guarda o rumor divino e o segredo inefável do seu único amor. E basta um «sim», sem nada exigir, nem consultar, para o caso, nenhum dos «seus», para se tornar fruto do seu ventre puríssimo, Jesus, o Filho de Deus.

Maria é assim «puro advento», puro acolhimento da graça, pura aceitação do dom, puro coração aberto e envolto pelo amor divino. Em Maria, se manifesta o livre agir e o querer absoluto de Deus. É Deus que tudo faz. E ao homem só é pedido, como a Maria, que deixe Deus fazer, que deixe Deus ser, vir, chegar e vencer...

b) Mas Maria, viveu esta espera, como Mãe.

Mas não é só como Filha de um Povo que Maria espera o Messias. É também como Mãe de Deus, que Ele espera o Filho. Neste Advento, Maria aparece-nos, Mulher grávida, Mãe em expectação, verdadeira «Mãe da espera». Ela «está de esperanças», para usar uma expressão tão antiga e tão bela. Como diz a Liturgia, «Ela esperou com inefável amor» o Messias Prometido. Esperou-o e, pela sua santidade de vida, alcançou-o. Vivendo «sem pecado nem motivo algum de censura», ela «apressou a vinda do dia de Deus».

3. Que espera Maria de nós? Como vive Maria hoje e connosco esta espera, este Advento?

Diz a Liturgia, olhando já não para o princípio da Imaculada, mas para o fim último da vida de Maria: «Elevada à glória do Céu, Maria assiste com amor materno a Igreja, protegendo misericordiosamente os seus passos, enquanto espera a vinda gloriosa do Senhor» (Pref. Nossa Senhora III).

Neste tempo de Advento, a Igreja sente-se acompanhada pelo olhar de Maria, que nos abre os olhos para Jesus e nos ajuda, não tanto a falar muito dEle, mas sobretudo a manifestá-lo e a descobri-lo.

Para dar conta da vinda e da presença de Deus, é preciso estar ali, detido, aos pés de Maria, à espera do impossível. Com o mesmo desejo de salvação, com a mesma atenção silenciosa, com a mesma abertura generosa, com a mesma ânsia da hora de Deus.

4. Quem nos dera um desejo assim, tão desnudado de tudo, como o de Maria, tão cheio dAquele Menino Deus que está ainda por vir. O homem do novo milénio experimenta esta tensão entre o querer tudo e o já não esperar nada. De certo modo, tornamo-nos incapazes de uma verdadeira espera, ou porque vivemos no imediato e conformados com tudo isto, ou porque desesperados, já não estamos realmente empenhados na vinda de N.S.J. Cristo.

Precisamos tanto de aprender de Maria esta espera, activa e «empenhada». Numa vida santa e imaculada. Esperar, como Mãe, cujo amor cresce tanto mais, quanto mais espera o Filho, que lhe está para nascer. Olhai, que basta então parar e até reparar… que é preciso ter pressa e vontade segura de a Ele chegar…

Com Maria, caminhemos generosamente ao encontro do Senhor que veio, que há-de vir e que vem, no seu colo, mais uma vez, no regaço de sua Mãe.


Homilia na Solenidade da Imaculada Conceição
da Virgem Santa Maria 2003

1. Às portas do Natal, ouvimos Deus bater à porta. Eis que está à porta e bate (Ap.3,20). Ele sempre bate à nossa porta. Desta e pela primeira vez bate à porta do Paraíso. Bate à porta do Homem, do primeiro e de cada Homem, e pergunta-lhe: «Onde estás?». Mas o homem, que pecou, que se trancou dentro de portas, para se defender e isolar de Deus, está fora de casa, fora do espaço onde verdadeiramente é. Incomunicável. Fora de si. Fora dos outros. Fora de Deus. E por isso, à pergunta de quem lhe bate à porta do coração, o homem responde, a tremer, sem dizer onde está. Nem ele sabe porventura onde está. Sabe que não está em Deus. E por isso reage, como a um estranho, com medo de lhe abrir a porta. Medo e vergonha, solidão absoluta de um homem nu e prisioneiro, ao ar livre. «Tive medo e escondi-me». Desabafa ele. E segue-se uma longa conversa, sobre a culpa, que não é solteira e que ele diz ser da mulher. E que a mulher diz não ter, por ser enganada. E, nesta zanga, aquela que era uma relação de amor e de comunhão, está agora viciada pelo engano, pela suspeita, pela divisão.

2. Este é afinal o retrato de uma humanidade ferida pelo pecado, de uma humanidade que fecha umas e outras portas a Deus, de uma humanidade que impede Deus de entrar na sua própria casa, de nos visitar, de se sentar à mesa connosco, de nos sentar à mesa com Ele. Mas ainda assim, apesar das muitas portas trancadas, Deus abre uma brecha, como quem nos deixa espreitar a luz, pelo buraco da fechadura, e descobrir o segredo para a porta de novo se abrir. Voltando-se para a serpente, afrontando o mal que a todos nos faz rastejar, Deus diz a respeito de uma Mulher: «Esta te esmagará a cabeça e tu a atingirás no calcanhar». E tal Mulher tornou-se a “mãe de todos os viventes”, daqueles que pareciam condenados a ser os pobres mortais.

3. Doravante, a história de Deus, é como a de um pobre mendigo que sempre nos bate à porta. Passa à porta de Abraão, para lhe dar uma descendência e a nós um futuro. Abre a Moisés as portas do Mar, para libertar o seu povo. E pelos profetas, abre portas e caminhos de esperança. Deus persegue o Homem, cada homem, na esperança e no desejo de o encontrar em casa.

Até que um dia, Deus bate, de novo, à porta. À porta de uma mulher. Daquela que Ele escolhera, desde toda a eternidade, para se tornar a Mãe de Seu Filho. Vai a Nazaré. E não precisa sequer de bater à porta. A porta estava inteiramente aberta. «Tendo entrado onde ela estava, disse o Anjo: Ave, ó cheia de graça, o Senhor está contigo!». Maria está em Deus. Está onde Deus está. Deus está nela e está como que em sua casa. Ele mesmo a preparara, para se tornar a digna morada de seu Filho. Maria está cheia e preenchida pela graça, pela presença amorosa do seu Deus. Do Deus em quem espera. Do Deus, o Único por quem espera. Maria soube esperar unicamente de Deus a salvação. A sua pobreza, a sua pequenez converteu se, deste modo, em palco do poder divino. A própria virgindade convém repe¬ti lo atesta que Deus é capaz de inventar uma esperança, onde não há esperança e abrir caminhos no deserto... abrir portas, onde até as janelas se fecham à luz.

4. E Deus espera tudo de Maria, para uma resposta inteira e livre. E Maria, neste encontro, de portas abertas, não é tomada pelo medo, mas pelo temor. Pela certeza da sua pequenez, diante do imenso mistério de Deus. Sem sombra de pecado, Maria diz um «sim». Um «sim» incondicional, que permite a Deus entrar, vir e acontecer, e fazer como lhe apetecer. Para estabelecer a sua morada no meio de nós. Deus começa a ganhar terreno. E, por esta porta aberta de Maria, abre-se-nos, de novo, a porta do Paraíso, as portas do encontro de toda a humanidade com Deus. Abrem-se as portas ao Redentor. Abrem-se as portas da salvação a toda a humanidade. Maria Imaculada, preservada de todo a mancha do pecado, redimida e salva, aparece, assim, como a aurora de um tempo novo, a anunciar à aparição do Sol da Justiça, Cristo nosso Deus.

5. Que poderíamos aprender de Maria neste advento? Ela ensina-nos, nesse silêncio humilde, a esperança dos pobres. Neste especial tempo de advento, afinal o mais mariano de todos, a Virgem Mãe ensina-nos a não desistir, perante tantas portas, que se nos fecham. A não desesperar, quando, por exemplo, parece esgotado o diálogo no casal, quando se julgam jogadas todas as hipóteses de reconciliação, num intrincado conflito de família, quando já nem encontramos mais portas onde bater, para obter uma ajuda, para encontrar o próprio emprego, quando até se nos fecham as portas do mundo, para a evangelização.

É preciso então não desistir. Nem forçar, de modo algum, a porta do paraíso. Porque pior do que nos fecharem todas portas, é não termos as nossas abertas, ao Senhor que vem e até gosta bem de nos surpreender. É preciso, como Maria, deixar apenas Deus entrar, pela brecha do nosso desejo, pela porta aberta do nosso coração, a Deus e ao irmão.


Sermão no encerramento da

Solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria

Fregim - 2003

1. Às portas do Natal, ouvimos Deus bater à porta. Eis que está à porta e bate (Ap.3,20). Ele sempre bate à nossa porta. Na primeira leitura da celebração da Eucaristia deste dia, era Deus que batia à porta do Paraíso. Batia à porta do Homem, do primeiro e de cada Homem, para lhe perguntar: «Onde estás?».

Mas o homem, das origens e desde as origens até hoje, o homem que pecou, que se trancou dentro de portas, para se defender e isolar de Deus, está fora de casa, fora do espaço onde verdadeiramente é. Fora de si. Fora dos outros. Fora de Deus. Incomunicável.

E por isso, à pergunta de Deus que lhe bate à porta do coração, o homem responde, a tremer, sem dizer onde está. Nem ele sabe porventura onde está. Sabe que não está em Deus. E por isso reage, como a um estranho, com medo de lhe abrir a porta. Medo e vergonha, solidão absoluta de um homem despido e prisioneiro, ao ar livre. «Tive medo e escondi-me». Desabafava ele. E segue-se uma longa conversa, sobre a culpa, que não é solteira e que ele diz ser da mulher. E que a mulher diz não ter, por ser enganada. E, nesta zanga, aquela que era uma relação de amor e de comunhão, está agora viciada pelo engano, pela suspeita, pela divisão.

2. Este era afinal o retrato de uma humanidade ferida pelo pecado, de uma humanidade que fecha umas e outras portas a Deus, de uma humanidade que impede Deus de entrar na sua própria casa, de nos visitar, de se sentar à mesa connosco, de nos sentar à mesa com Ele.

Mas ainda assim, apesar das muitas portas trancadas, Deus sempre abre uma brecha, como quem nos deixa espreitar a luz, pelo buraco da fechadura, e descobrir o segredo para a porta de novo se abrir. Voltando-se para a serpente, afrontando o mal que a todos nos faz rastejar, Deus diz a respeito de uma Mulher: «Esta te esmagará a cabeça e tu a atingirás no calcanhar». E tal Mulher tornou-se a “mãe de todos os viventes”, daqueles que pareciam condenados a ser os pobres mortais.

3. Doravante, a história de Deus, é como a de um pobre mendigo que sempre nos bate à porta. Passa à porta de Abraão, para lhe dar uma descendência e a nós um futuro. Abre a Moisés as portas do Mar, para libertar o seu povo. E pelos profetas, abre portas e caminhos de esperança. Deus persegue o Homem, cada homem, na esperança e no desejo de o encontrar em casa.

Até que um dia, Deus bate, de novo, à porta. À porta de uma mulher. Daquela que Ele escolhera, desde toda a eternidade, para se tornar a Mãe de Seu Filho. Vai a Nazaré. E não precisa sequer de bater à porta. A porta estava inteiramente aberta. «Tendo entrado onde ela estava, disse o Anjo: Ave, ó cheia de graça, o Senhor está contigo!». Maria está em Deus. Está onde Deus está. Deus está nela e está como que em sua casa. Ele mesmo a preparara, para se tornar “a digna morada de seu Filho”. Maria está cheia e preenchida pela graça, pela presença amorosa do seu Deus. Do Deus em quem espera. Do Deus, o Único por quem espera. Maria soube esperar unicamente de Deus a salvação. A sua pobreza, a sua pequenez converteu se, deste modo, em palco do poder divino. A própria virgindade convém repe¬ti lo atesta que Deus é capaz de inventar uma esperança, onde não há esperança e abrir caminhos no deserto... abrir portas, onde até as janelas se fecham à luz.

4. E Deus espera tudo de Maria, para uma resposta inteira e livre. E Maria, neste encontro, de portas abertas, não é tomada pelo medo, mas pelo temor. Pela certeza da sua pequenez, diante do imenso mistério de Deus. Sem sombra de pecado, Maria diz um «sim».

- Um «sim» incondicional, que permite a Deus entrar, vir e acontecer, e fazer como lhe apetecer.

- Um sim agora, um sim depois. Um sim sempre. Um «sim» permanente: a sua vida inteira foi um sim a Deus e aos homens.

- Um sim gozoso, positivo, não contrariado ou angustiado. Porque é fruto da graça, é um sim generoso e gratuito.

- Um sim humilde, a partir da sua pequenez e pobreza, fiado em Deus e não na sua capacidade ou na sua auto-suficiência;

- Um sim livre, não por medo nem imposição, mas na lucidez e amor.

- Um sim responsável e consciente, ponderado nas suas exigências e possíveis consequências, ainda que arriscado, na confiança que Deus lhe merece.

- Um sim enamorado, como o da noiva de Deus. Deus é todo o seu amor e nada Lhe poderá negar;

- Um sim maternal, com entranhas de Mãe, aberto à ternura e à misericórdia.

- Um sim entregue, sinal de obediência radical; pelo que põe toda a sua vida nas mãos de Deus;

- Um sim reparador, por todos os nãos pronunciados, desde as origens, por todas as rupturas do Homem com Deus; Por este «sim», por esta porta aberta de Maria, abre-se-nos, de novo, a porta do Paraíso, as portas do encontro de toda a humanidade com Deus. Abrem-se as portas ao Redentor. Abrem-se as portas da salvação a toda a humanidade.

5. Que poderíamos aprender de Maria neste advento? Ela ensina-nos, nesse silêncio humilde, a esperança dos pobres. Neste especial tempo de advento, afinal o mais mariano de todos, a Virgem Mãe ensina-nos a não desistir, perante tantas portas, que se nos fecham. A não desesperar, quando, por exemplo, parece esgotado o diálogo no casal, quando se julgam jogadas todas as hipóteses de reconciliação, num intrincado conflito de família, quando já nem encontramos mais portas onde bater, para obter uma ajuda, para encontrar o próprio emprego, quando até se nos fecham as portas do mundo, para a evangelização. É preciso então não desistir. Nem forçar, de modo algum, a porta do paraíso. Porque pior do que nos fecharem todas portas, é não termos as nossas abertas, ao Senhor que vem e até gosta bem de nos surpreender. É preciso, como Maria, deixar apenas Deus entrar, pela brecha do nosso desejo, pela porta aberta do nosso coração, a Deus e ao irmão. Só abrindo estas portas, se terá acesso ao Presépio de Belém.


HOMILIA NA SOLENIDADE DA IMACULADA CONCEIÇÃO C 2004

1. Depois do valor da espera e da necessidade de um tempo de preparação, eis-nos ainda e, sem perder o rumo, em direcção a Belém, à Casa do Pão, pelos caminhos da família de Nazaré. Tomemos hoje, como especial referência deste caminho, a figura luminosa de Maria, a Mãe de Jesus. Mais e melhor do que ninguém, Ela esperou com inefável a vinda do seu Filho. E a sua concepção Imaculada revela, desde logo, como Maria foi preparada por Deus, para se tornar a digna morada de seu Filho.

2. Para nós, que neste Advento andamos «pelos caminhos da família de Nazaré», é oportuno e interessante registar, desde já e a partir da escuta da Palavra de Deus, um pormenor significativo: a Sagrada Escritura, ao representar o drama original do pecado e a promessa da salvação, conta-nos uma história de amor do par humano e situa-nos na trama dessa relação conjugal. Vale a pena ir até lá.

3. Se tivermos em conta as páginas anteriores, tratava-se de uma relação conjugal, chamada, desde o princípio, à alegria do dom e da comunhão. O Homem e a Mulher não se envergonhavam da sua nudez, no preciso sentido de que a ternura brotava da descoberta maravilhada que um fazia do outro. Homem e Mulher descobrem-se um no outro, um ao outro, como alguém tão igual a si, como diferente de si. Cada um procura-se no outro, por causa do outro. Neste âmbito do primeiro amor, o desejo é ainda uma pura força de vida e um dom de alegria, que se abre para o par humano em fonte de ternura!

4. Mas este é apenas o lado luminoso e maravilhoso do desejo e da ternura, da sexualidade e do amor. Porque, na realidade, o homem, desde sempre, é minado e tentado pela cobiça, de modo a transformar o dom em domínio, a ternura em violência, o gozo puro em puro uso e abuso do outro.

Vê-se bem, no quadro do pecado original, como o amor é um tesouro, desde sempre ameaçado pela fragilidade do nosso barro humano. O próprio homem que tinha acolhido a Mulher com um grito de alegria incontível (Gén.2,23), ao recebê-la, como carne da sua carne, osso dos seus ossos, atribui agora as culpas à Mulher, que Deus lhe dera por sua igual e companheira. E a relação do casal ameaça a ruptura.

5. Somos assim alertados, com realismo, para o dom e para o risco que comporta a vivência da sexualidade e do amor entre o Homem e a Mulher. Se a sexualidade é uma expressão do amor e um dom do criador, e por isso mesmo dotada de bondade, isso afasta-nos claramente de uma visão diabólica, que só vê “pecado” em tudo o que é a linguagem dos afectos e dos gestos de amor; mas se há, como se vê, o risco de manipulação e de exploração em tudo o que são afectos, sentimentos e gestos de amor, também não podemos cair numa visão angélica, como se esse mundo da nossa vida íntima estivesse livre de toda a ambiguidade e isento do pecado. E fosse tudo amor! A maravilha e o trágico deixam igualmente a sua marca na experiência original do amor humano.

De facto, chamada, desde o princípio, a ser experiência do dom e da exultação, a relação de corpo e alma entre homem e mulher, sem a vigilância da ternura e sem a procura da generosidade, rapidamente se transforma em lugar de domínio e de violência: «o teu desejo impelir-te-á para o teu marido e ele te dominará» (Gén.3,16), diz a Escritura. De resto, quanta profanação da palavra “amor”, que esconde o egoísmo, a insensibilidade, a incapacidade de ternura e de comunhão.

6. Assim, caros irmãos, neste ser humano, enfraquecido pelo pecado, verificamos que o nosso pobre coração chamado a tamanha grandeza, precisa de ser redimido, purificado, educado, dilatado, preenchido, para realizar a sua altíssima vocação ao amor. Nesse sentido, a vivência digna da sexualidade e do amor conjugal é uma luta de todos os dias e de toda uma vida, é uma construção generosa de vitória, sobre os possíveis desvios do pecado humano.

Nós cristãos sabemos que chegar a este coração novo, alcançar este coração puro, é impossível sem a graça de Deus, sem o impulso, o fogo, a sombra do seu Espírito Santo. Todavia essa graça só pode invadir-nos e possuir-nos, se previamente nos dispusermos a limpar o coração, a cultivar nele a humana virtude da castidade. A castidade anuncia o desejo de viver generosamente o amor e renuncia a experiências sexuais facilitantes, isto é, renuncia a uma sexualidade desligada do amor e da responsabilidade de um compromisso definitivo. O caminho do amor é o caminho da generosidade e da coragem. Não o da experimentação prévia ou provisória.

7. Eis porque o amor também se aprende… e as suas linguagens e manifestações, também se educam, sob pena de caírem rapidamente na vulgaridade e no vazio do consumo. Ainda assim, a última palavra é de esperança. A queda do primeiro casal é acompanhada de uma promessa de auxílio e de salvação, com a qual o casal sempre deve contar. No projecto de Deus, o casamento é uma Promessa que Deus não esqueceu, apesar de tudo o que nos factos pareça desmenti-la.

Também aí Maria, no seu amor virginal, nos há-de abrir à esperança de um coração novo, redimido pela graça de Cristo. Ela é a primeira criatura de uma humanidade chamada a voltar sempre ao primeiro amor! Olhando para a Virgem Imaculada, podemos contemplar a pureza do desejo e o rosto da ternura, o amor, sem sombra de pecado!


SERMÃO EM FREGIM IMACULADA CONCEIÇÃO 2004

1. "Eu sou a Imaculada Conceição". As palavras que Maria dirigiu em Lourdes, a Bernardette, no dia 25 de Março de 1858, ressoam com uma intensidade totalmente particular hoje, ao celebrarmos os 150 anos da solene definição do dogma proclamado pelo Papa Pio IX, na Constituição Apostólica Ineffabilis Deus. Diz-se expressamente na proclamação do Dogma:

“A doutrina segundo a qual a Bem-aventurada Virgem Maria,
no primeiro instante da sua conceição, foi,
por especial privilégio de Deus Omnipotente,
com vista aos méritos de Jesus Cristo, Salvador do género humano,
preservada imune de toda a mácula do pecado original,
é revelada por Deus e deve por isso ser acreditada por todos os fieis,
firmemente e com constância”

2. Embora, se refira a Maria, este é um acontecimento que continua a glorificar a Santíssima Trindade.

▼ É Deus Pai que é glorificado na Imaculada, pois, ao ser preservada, desde a sua concepção, de toda a mácula do pecado original, significa que Maria foi cumulada inteira e plenamente da graça de Deus, desse Deus Pai, que olhou para a sua Filha predilecta e primeiro a amou, a escolheu e consagrou para ser a Mãe de seu Filho;

▼ É Jesus Cristo, o Filho Unigénito de Deus, que é glorificado na Imaculada Conceição, pois Maria é preservada do pecado, tendo em vista preparar e encontrar para seu Filho uma digna morada.

Ela é a primeira criatura redimida por Cristo… e redimida de modo único, em previsão dos méritos da sua Cruz. Nesse sentido a imaculada concepção de Maria é obra de seu Filho Jesus. Libertando-a do pecado que, desde as origens afecta a nossa liberdade e capacidade para amar, Deus fez espelhar em Maria, por antecipação e por excelência, o rosto de uma humanidade nova e redimida, graças à obra redentora de seu Filho. Nesse sentido, Maria apresenta-se ao mundo como expressão perfeita da redenção levada a cabo por seu Filho;

▼ É o Espírito Santo que é glorificado na Imaculada Conceição, pois essa graça é o ponto de partida de uma vida totalmente disponível à acção do Espírito Santo.

Para que fique mais claro, a Imaculada Conceição é a afirmação clara de que toda a criatura humana precisa de redenção, precisa de ser salva, precisa de ser liberta do pecado. Maria foi «salva», «redimida», por antecipação e por excelência, a fim de que a sua liberdade para amar e a sua capacidade para servir o Senhor, não fosse perturba ou ensombrada pelo pecado. O mérito de Maria não está em ter sido «preservada», mas em ter acolhido, respondido e correspondido por inteiro à graça que recebera. A doutrina da Imaculada Conceição abre assim a nossa vida à necessidade e à esperança de uma salvação, de uma redenção, que começou, de modo singular e único em Maria, e nos é oferecida a todos, pelo Baptismo.

3. Esta definição dogmática, como aliás a de todos os dogmas, não é uma imposição à fé. É apenas a confirmação da fé já sentida, vivida e assumida pelo Povo de Deus. A proclamação do dogma da Imaculada Conceição nada acrescentou à fé e devoção do povo português, mas contribuiu, e muito, para as confirmar e robustecer. Prova disso, foi o dinamismo suscitado entre os fiéis de Portugal, no sentido de erguer um monumento nacional que assinalasse a definição de Pio IX. Em 1869 concluía-se esse primeiro monumento, no Sameiro, seguindo-se-lhe a construção dum santuário dedicado à Imaculada Conceição de Maria, cuja imagem foi coroada solenemente há cem anos.

Desde os primórdios da sua história, Portugal soube sempre acolher-se ao regaço da Mãe de Jesus. Como povo em crescimento e em busca da consolidação de fronteiras, dedicou, desde os primeiros tempos da sua história, uma terna e filial afeição à Virgem Maria que escolhera como sua Senhora. De entre as inúmeras invocações, com que a Ela se dirige, sobressai, desde muito cedo, no horizonte de um culto sempre crescente, a da Imaculada Conceição. No Calendário de Salisbury, adoptado pelo primeiro bispo de Lisboa reconquistada, Gilberto Hastings (1147-1166), já figurava a referência ao mistério de Maria Imaculada.

À medida que Portugal se consolidava e se expandia pelo mundo, a veneração e devoção à sua Senhora ia aumentando. No século XVII, o culto de Maria, no Mistério da sua Imaculada Conceição, fazia parte da cultura nacional. Sinais disso, entre muitos outros, são: a consagração de Portugal a Maria Imaculada, a entrega da coroa real à imagem da Senhora da Conceição de Vila Viçosa, pelo Rei D. João IV, e o juramento a que se obrigou o corpo docente da Universidade de Coimbra - de defender e ensinar que Maria fora concebida sem pecado.

4. Caríssimos irmãos: Renova-se hoje, 8 de Dezembro, esta devota peregrinação, neste lugar, na qual quisestes levantar este monumento mariano, onde vimos todos os anos para recordar a proclamação do dogma da Imaculada Conceição. Prestamos aqui homenagem a Maria Santíssima, preservada desde o primeiro instante do contágio da culpa original e de toda a sombra de pecado, em virtude dos méritos de seu Filho Jesus Cristo, nosso único Redentor. Como já há alguns anos, uno-me de boa vontade a esta tradicional homenagem, símbolo eloquente de uma entrega de todos ao Coração Imaculado da Mãe do Senhor.

5. Estimados Irmãos e Irmãs! Daqui, como de Lourdes e de Fátima, a Virgem Imaculada fala-nos também a nós, cristãos do terceiro milénio. Coloquemo-nos à sua escuta, porque a Imaculada Conceição tem uma mensagem para todos. Ei-la:

Sede mulheres e homens livres! Contudo, recordai-vos: a liberdade humana é uma liberdade marcada pelo pecado. Ela tem necessidade de ser libertada. Cristo é o seu libertador, Ele que "nos libertou para que sejamos verdadeiramente livres" (Gl 5, 1). Defendei a vossa liberdade! Queridos Amigos, para isto sabemos que podemos contar com Aquela que, sem jamais ter cedido ao pecado, é a única criatura perfeitamente livre. É a Ela que vos confio. Caminhai com Maria, ao longo do trajecto da plena realização da vossa humanidade! Queira Deus que este gesto de consagração se transforme num permanente apelo, para todos, no sentido de cultivarmos e mantermos sempre viçosas as rosas do nosso amor a Maria. Que ela não nos deixe murchar a fé e a devoção que tantos séculos de história construíram no coração das gentes desta terra de Santa Maria de Fregim. Que Maria Santíssima, nossa Mãe Imaculada, olhe para vós e por vós, bem como por toda a humanidade, nos difíceis caminhos da paz e da justiça, no Natal que se aproxima. Com Maria, caminhemos generosamente ao encontro do Senhor que vem!


HOMILIA NA SOLENIDADE DA IMACULADA CONCEIÇÃO C 2004

1. Depois do valor da espera e da necessidade de um tempo de preparação, eis-nos ainda e, sem perder o rumo, em direcção a Belém, à Casa do Pão, pelos caminhos da família de Nazaré. Tomemos hoje, como especial referência deste caminho, a figura luminosa de Maria, a Mãe de Jesus.

Em Maria, estes dois tempos, o da espera e o da preparação, têm particular expressão. Por um lado, Ela apresenta-se-nos como modelo de espera virginal, pois “esperou com inefável amor”, de tal modo que concebeu depois na carne Aquele que primeiro desejou em seu coração. Por outro lado, ao ser preservada, desde a sua concepção, de qualquer sombra de pecado, Deus preparou para seu Filho uma digna morada. Maria afigura-se-nos assim como figura desta preparação radical. Libertando-a do pecado que, desde as origens afecta a nossa liberdade e capacidade para amar, Deus fez espelhar em Maria, por antecipação e por excelência, o rosto de uma humanidade nova e redimida, graças à obra redentora de seu Filho.

2. A Festa da Imaculada Conceição, coloca-nos, assim, com realismo, entre a maravilha do amor a que somos chamados e a tragédia do pecado, que desvirtua e perverte o dom do amor. E por isso mesmo, coloca-nos perante a necessidade da graça, da redenção, da salvação. E é muito interessante, sobretudo para nós que andamos neste advento «pelos caminhos da família» registar este pormenor: a Sagrada Escritura, ao representar o drama original do pecado e a promessa da salvação, conta-nos uma história de amor do par humano e situa-nos na trama dessa relação conjugal.

3. É uma relação, chamada, desde o princípio, à alegria do dom e da comunhão. O Homem e a mulher não se envergonham da sua nudez, no sentido em que a sua ternura brota da descoberta maravilhada que um faz do outro. Homem e Mulher descobrem-se um no outro, um ao outro, como alguém tão igual a si, como diferente de si. Cada um procura-se no outro, por causa do outro. Neste âmbito do primeiro amor, o desejo é uma pura força de vida e um dom de alegria, que se abre para o par humano em fonte de ternura.

4. Mas este é apenas o lado luminoso e maravilhoso do dom. Porque, na realidade, o homem é tentado pela cobiça, e facilmente transforma o dom em domínio, a ternura em violência, o gozo puro em uso e abuso. O amor é um tesouro, desde sempre ameaçado pela fragilidade do nosso barro humano. O homem que tinha acolhido a Mulher com um grito de alegria incontível (Gén.2,23), ao recebê-la, como carne da sua carne, atribui agora a culpa à Mulher, que Deus lhe dera por consorte e companheira.

5. Somos assim alertados para o dom e para o risco que comporta a vivência da sexualidade e do amor. Pelo que é preciso não cair numa visão diabólica, que só vê o pecado na linguagem e nos gestos de amor, que são em si mesmos dons do criador, cheios de bondade; nem cair numa visão angélica da sexualidade e do amor, como se esse mundo íntimo estivesse livre da ambiguidade e isento do pecado. De facto, chamada a ser experiência do dom e da exultação, a relação de corpo e alma entre homem e mulher, sem a vigilância da ternura e a procura da generosidade, rapidamente se transforma em lugar de domínio e de violência: «o teu desejo impelir-te-á para o teu marido e ele te dominará» (Gén.3,16), diz a Escritura.

6. Quanta profanação da palavra amor, que esconde o egoísmo, a insensibilidade, a incapacidade de ternura e de comunhão. No ser humano, enfraquecido pelo pecado, o seu coração precisa de ser redimido, para realizar a sua vocação de amor. Nesse sentido, a vivência digna da sexualidade e do amor conjugal é uma luta de todos os dias e de toda uma vida, é uma construção generosa de vitória sobre os possíveis desvios. Nós cristãos sabemos que isso é impossível sem a graça de Deus e sem o cultivo humano da virtude da castidade, que anuncia o desejo de viver generosamente o amor e renuncia a experiências sexuais facilitantes. O caminho do amor é o caminho da generosidade e da coragem.

7. Mas no projecto de Deus, o casamento é uma Promessa que Deus não esqueceu, apesar de tudo o que nos factos pareça desmenti-la. Dificilmente o homem acertará com o caminho do bem, se não viver a sua sexualidade como dom e obediência ao plano de Deus. Também aí Maria, no seu amor virginal, nos abre à esperança de um coração novo, redimido pela graça de Cristo. Ela é a primeira criatura de uma humanidade chamada a voltar ao primeiro amor!


Homilia na Solenidade da imaculada Conceição 2005

“Ouvi o rumor dos vossos passos no jardim e tive medo”!

1. Estranho medo, no jardim da Paz! O medo é, desde as origens, o grande inimigo da Paz. O terrorismo vive desse medo, um inimigo sem rosto, escondido, como um leão que ruge, procurando a quem devorar! Por causa desse medo, a Terra da liberdade e da fraternidade, tornara-se um jardim proibido e sombrio! “Que fizeste”? (Gen.3,13) Pergunta o Senhor Deus? Que foi feito dessa tranquilidade da ordem, na Terra Prometida, desse jardim de Paz, desse lugar primeiro da Vida, no qual todos podiam conviver amorosamente entre si, e na amizade com Deus? Porque não desperta mais o Vento Norte, porque não se aproxima o Vento Sul, para espalhar os seus perfumes neste jardim de Deus (Cant.4,16)? Porque se ouvem apenas rumores e se calaram agora todos os hinos de Paz? Porque se transformou o Jardim da Terra, num mar de problemas? Que vírus tão poderoso se espalhou pela Terra, que não deixa a pomba da Paz, poisar sobre ela (Gén.8,8-9)?

2. A Sagrada Escritura, reconduz-nos hoje ao Jardim do Paraíso, e vai à raiz do problema: na raiz de todo o mal, está o pecado! O mal não é uma força anónima, que age no mundo, como se ninguém tivesse culpa ou o provocasse. O mal passa através da liberdade humana. O mal tem sempre um rosto e um nome: o rosto e o nome de homens e mulheres que o escolhem livremente!

Minado pelo pecado, sobretudo da soberba, Adão e Eva, o Homem e Mulher, entram em ruptura com Deus. E a partir dai, a desvergonha e a divisão conjugal! E quem segue as primeiras páginas da Bíblica, vê como esta ruptura provocada pelo pecado das origens, afectará também a relação dos irmãos entre si, de que a História de Abel, morto por Caim é exemplar (Gen.4). Esta desordem do pecado, mina a relação entre as nações, com a disputa e confusão entre os povos, descrita no episódio de Babel (Gen.11).

Quer dizer, depois do pecado, dessa escolha livre do Homem, em viver sem Deus ou contra Ele, escusando o amor, a inimizade está estabelecida, a Paz está comprometida. “Os tesouros da terra já não estão ao serviço da edificação do jardim de Deus, no qual todos podem viver, mas estão ao serviço dos poderes da exploração e da destruição” (Bento XVI) .

3. Mas a última palavra da História não é o mal. Deus promete de novo a Paz. O seu desígnio para o mundo e para o Homem é de Paz. A humanidade, apesar de ferida pelo pecado, pelo ódio e pela violência, é chamada por Deus a formar uma única família e a viver na Paz. E, surpreendentemente, eis que no coração deste desígnio de Paz, está a figura de uma Mulher, a mãe de todos os viventes, Maria, nova Eva, aquela a quem hoje queremos invocar, como Senhora da Paz! A Paz apoderou-se de Maria, de modo radical. Nela, o pecado, o principal agente ou vírus corrosivo da Paz, não entrou, nem prosperou! O seu coração, imaculado, não conheceu qualquer espécie de desordem, está tranquilo e em paz! Por isso Maria, se tornou essa terra fértil, onde floresceram “a justiça e a Paz para sempre” [Sal.72 (71) 7]).

4. Em Maria, Imaculada, vemos bem que só a libertação do pecado, nos pode dar a Paz! Só, empenhando-nos, por viver «sem pecado nem motivo algum de censura, é que Deus nos pode encontrar na Paz» (II Pe.3,14). Maria apresenta-se-nos, desde a Sua Concepção Imaculada, como ícone (imagem transparente) dessa Paz de Deus. Ela não se esconde de Deus. Está onde Deus está. Maria, entre todas as criaturas, refulge como o mais belo exemplar do esplendor da Paz, como se dos seus olhos irradiasse já a Luz do Filho que «é, de facto a nossa Paz» (Ef.2,13). Maria, Virgem Imaculada, por singular privilégio de Deus, traz-nos esta certeza viva da fé: “por mais radical que seja o mal, nunca é tão profundo como a bondade” .

5. Com Maria, aprenderemos a não ceder à tentação do desencorajamento e da desconfiança, na luta pela Paz. Maria recordar-nos-á sempre, sobretudo nos momentos mais difíceis, na construção da Paz, que a Paz é um dom de Deus e que «a Deus tudo é possível»! Ela acompanha-nos, como sinal de esperança, nesta «peregrinação de confiança através da Terra».

Neste caminho de Advento, Maria levar-nos-á a trabalhar pela Paz, com coragem, com a confiança de que o mal não prevalecerá. «Esta confiança permite manter-se de pé, (como Maria, junto à Cruz) onde as sociedades humanas são abaladas. Ela permite avançar mesmo quando surge o fracasso» Logo no início do seu Pontificado, dizia-nos João Paulo II: “A aspiração à Paz não será desiludida para sempre. O trabalho em prol da Paz produzirá os seus frutos. A Paz será a última palavra da História” . E Bento XVI afirmou e confirmou a mesma convicção: “dirijo a vós todos, um forte convite a tornarmo-nos, juntos, artífices da paz. (…)” .

[6. João Paulo II confessava, em longa entrevista, uma confidência do Cardeal Wyszynski, segundo a qual, o antecessor deste lhe assegurara que a vitória da Paz quando viesse, viria por Maria ! Não por acaso, no centro de todas as aparições marianas, entre as quais a de Fátima, é constante a solicitude de Maria, por guiar a Humanidade, nos caminhos da Paz, mostrando-lhe os meios de a alcançar.]

7. Neste feliz dia, do 40º aniversário do encerramento do Concílio Vaticano II, peçamos a Maria que leve a Igreja, no seu conjunto, e nela os seus Pastores, a pôr-se a caminho, tal como Cristo, para conduzir os homens para fora do deserto, para o Jardim de Deus, lugar da vida, para a amizade com o Filho de Deus, para Aquele que nos dá a vida em plenitude e é a nossa Paz!


EXCERTOS DA HOMILIA DE JOÃO PAULO II EM LOURDES
- 150 ANOS IMACULADA CONCEIÇÃO

1. "Que soy era Immaculada Councepciou". As palavras que Maria dirigiu a Bernardette, no dia 25 de Março de 1858, ressoam com uma intensidade totalmente particular neste ano, durante o qual a Igreja celebra o 150º aniversário da solene definição do dogma proclamado pelo Papa Pio IX, na Constituição apostólica Ineffabilis Deus.

Um acontecimento que continua a glorificar a Trindade una e indivisa. A Imaculada Conceição de Maria constitui o sinal do amor gratuito do Pai, a expressão perfeita da redenção levada a cabo pelo Filho, o ponto de partida de uma vida totalmente disponível à acção do Espírito.

É precisamente desta consciência (consciência do cumprimento das promessas, porque Deus "se recordou da sua misericórdia"), que brota a alegria da Virgem Maria, que transparece no conjunto do cântico: alegria de saber que Deus "olha" para Ela, apesar da sua "fragilidade" (cf. Lc 1, 48); alegria em virtude do "serviço" que lhe é possível prestar, graças às "grandes obras" que o Todo-Poderoso realizou em seu favor (cf. Lc 1, 49); alegria pela antecipação da bem-aventurança eterna, reservada aos "humildes" e aos "famintos" (cf. Lc 1, 52-53).

Depois do Magnificat chega o silêncio; nada se diz acerca dos três meses da presença de Maria ao lado da sua prima Isabel. Talvez nos seja dita a coisa mais importante: o bem não faz ruído, a força do amor expressa-se na discrição tranquila do serviço quotidiano.

2. Mediante as suas palavras e o seu silêncio, a Virgem Maria aparece como um modelo ao longo do nosso caminho. Não se trata de um caminho fácil: em virtude da culpa dos nossos pais primitivos, a humanidade traz em si a ferida do pecado, cujas consequências ainda continuam a fazer-se sentir nas pessoas remidas. Mas o mal e a morte não terão a última palavra! Maria confirma-o através de toda a sua existência, sendo testemunha viva da vitória de Cristo, nossa Páscoa.

3. Estimados Irmãos e Irmãs! A Virgem Imaculada fala-nos também a nós, cristãos do terceiro milénio. Coloquemo-nos à sua escuta!

E da gruta Lourdes, a quem Maria confirmou a Bernardette a sua concepção imaculada, vem um apelo especial às mulheres. Aparecendo na Gruta de Lourdes, Maria confiou a sua mensagem a uma menina, como que para ressaltar a missão particular que compete à mulher, na nossa época tentada pelo materialismo e pela secularização: ser, na sociedade contemporânea, testemunha dos valores essenciais, que não se podem ver senão com os olhos do coração. Vós, mulheres, tendes o dever de ser sentinelas do Invisível!

4. Irmãos e Irmãs, lanço a todos vós um apelo premente, a fim de que façais tudo o que estiver ao vosso alcance para que a vida, qualquer vida, seja respeitada desde a concepção até ao seu ocaso natural. A vida é uma dádiva sagrada, da qual ninguém se pode apropriar.

Enfim, a Imaculada Conceição tem uma mensagem para todos. Ei-la: sede mulheres e homens livres! Contudo, recordai-vos: a liberdade humana é uma liberdade marcada pelo pecado.

Ela tem necessidade de ser libertada. Cristo é o seu libertador, Ele que "nos libertou para que sejamos verdadeiramente livres" (Gl 5, 1). Defendei a vossa liberdade!

Queridos Amigos, para isto sabemos que podemos contar com Aquela que, sem jamais ter cedido ao pecado, é a única criatura perfeitamente livre. É a Ela que vos confio. Caminhai com Maria, ao longo do trajecto da plena realização da vossa humanidade!

ORAÇÃO FINAL DIANTE DA BASÍLICA DO ROSÁRIO DE LOURDES

Ave Maria,
Mulher pobre e humilde,
abençoada do Altíssimo!
Virgem da esperança,
profecia dos novos tempos,
nós nos associamos
ao teu hino de louvor
para celebrar
as misericórdias
do Senhor,
para anunciar
a vinda do Reino
e a libertação
integral do homem.
Ave Maria,
humilde serva do Senhor,
gloriosa Mãe de Cristo!
Virgem fiel,
santa morada do Verbo,
ensina-nos a perseverar
na escuta da Palavra,
a ser dóceis à voz do Espírito,
atentos aos seus apelos
na intimidade da nossa consciência
e às suas manifestações
nos acontecimentos da história.
Ave Maria,
Mulher da dor, Mãe dos viventes!
Virgem esposa junto da cruz,
nova Eva, sê nossa guia
pelos caminhos do mundo,
ensina-nos a viver e a propagar
o amor de Cristo,
ensina-nos a permanecer contigo,
junto das numerosas cruzes
nas quais teu Filho
ainda é crucificado.
Ave Maria,
Mulher de fé,
primeira entre os discípulos!
Virgem, Mãe da Igreja,
ajuda-nos a dizer sempre a razão
da esperança que nos anima,
tendo confiança na bondade
do homem e no amor do Pai.
Ensina-nos a construir o mundo
a partir do interior: na profundidade
do silêncio e da oração,
da alegria do amor fraterno,
na fecundidade insubstituível
da Cruz.
Santa Maria, mãe dos crentes,
Nossa Senhora de Lourdes,
intercede por nós.
Amém.

João Paulo II


Sermão a Nossa Senhora da Conceição, em Fregim

«Senhor, nosso Deus,
pela Imaculada Conceição da Virgem Maria,
preparastes para o vosso Filho,
uma digna morada

(cf. Oração Colecta)!

1. Era assim, neste espírito de preparação para a vinda do Salvador, que rezávamos no início da Eucaristia, que neste Domingo de Advento celebrámos. A Solenidade da Imaculada Conceição há-de ver-se e viver-se, neste preciso clima de preparação, de intensa espera e de desejo ardente, da primeira, da permanente e da última vinda do Salvador. Se há um tempo litúrgico “mariano” por excelência, é este do Advento. Neste II Domingo, reunimo-nos aqui, sob o manto e o olhar de Maria, que viveu esta espera «com inefável amor» (Pref. Advento II), e por isso nos pode «conceder a graça de «caminharmos generosamente ao encontro de Cristo», (Oração Colecta do II Domingo de Advento) seu Filho.

2. Como viveu Maria esta espera do Messias?

a) Viveu-a, antes de mais, como filha de um Povo.

Maria faz parte do Povo de Deus. Ela é a verdadeira Filha de Sião; filha de um Povo que trazia, desde as origens a marca do pecado, mas também voltado para o futuro, na esperança da salvação. Na história antiga deste Povo de Deus, esta esperança, estava além do mais ligada, segundo a Promessa, à descendência de uma Mulher, da qual havia de nascer o Salvador, Aquele, que tem o poder de esmagar a cabeça e vencer o poder do mal, pela raiz. Uma e outra vez, parecia que era desta, e que era de vez, que a Promessa se cumpria. Mas não. Também Deus, no tempo da sua paciência, soube esperar, sem nunca desistir de nós, nem se cansar. Até, um dia, o próprio Deus parar e reparar que, algures, em Nazaré, estava a Mulher que Ele mesmo pensou e preparou, para ser a digna morada do seu Filho: Maria.

Foi Deus que pensou em Maria para digna morada de seu Filho; e neste sentido, Ele próprio a preparou radicalmente, libertando-a de toda a mácula, enchendo-a de toda a graça. Pensando nEla, para digna morada de seu Filho, Deus quis Maria preservada de todo o pecado, liberta de todo o mal; desejou-a pura, santa e imaculada. Toda a graça confiada a Maria, tem em vista este encontro feliz de Deus com a sua criatura, esta resposta total, este «sim» incondicional da pessoa ao seu desígnio de amor e de salvação.

Diríamos que Maria é a última na fila de um Povo inteiro, que há muito esperava pelo Messias. Mas é a primeira, pois O deseja, como ninguém. Ela quer tanto deixar Deus ser, vir e vencer, que, sem contar, lhe apressa a sua chegada. E Deus, de uma passada, desce do seu coração imaculado ao ventre materno, para gerar nela o Filho Eterno, sem nenhum brado, sem nenhum pranto. Tudo num silêncio humilde onde Ela guarda o rumor divino e o segredo inefável do seu único amor. E basta um «sim», sem nada exigir, nem consultar, para o caso, nenhum dos «seus», para se tornar fruto do seu ventre puríssimo, Jesus, o Filho de Deus.

Maria é assim «puro advento», puro acolhimento da graça, pura aceitação do dom, puro coração aberto e envolto pelo amor divino. Em Maria, se manifesta o livre agir e o querer absoluto de Deus. É Deus que tudo faz. E ao homem só é pedido, como a Maria, que deixe Deus fazer, que deixe Deus ser, vir, chegar e vencer...

b) Mas Maria, viveu esta espera, como Mãe.

Mas não é só como Filha de um Povo que Maria espera o Messias. É também como Mãe de Deus, que Ele espera o Filho. Neste Advento, Maria aparece-nos, Mulher grávida, Mãe em expectação, verdadeira «Mãe da espera». Ela «está de esperanças», para usar uma expressão tão antiga e tão bela. Como diz a Liturgia, «Ela esperou com inefável amor» o Messias Prometido. Esperou-o e, pela sua santidade de vida, alcançou-o. Vivendo «sem pecado nem motivo algum de censura», ela «apressou a vinda do dia de Deus».

3. Que espera Maria de nós? Como vive Maria hoje e connosco esta espera, este Advento?

Diz a Liturgia, olhando já não para o princípio da Imaculada, mas para o fim último da vida de Maria: «Elevada à glória do Céu, Maria assiste com amor materno a Igreja, protegendo misericordiosamente os seus passos, enquanto espera a vinda gloriosa do Senhor» (Pref. Nossa Senhora III).

Neste tempo de Advento, a Igreja sente-se acompanhada pelo olhar de Maria, que nos abre os olhos para Jesus e nos ajuda, não tanto a falar muito dEle, mas sobretudo a manifestá-lo e a descobri-lo.

Para dar conta da vinda e da presença de Deus, é preciso estar ali, detido, aos pés de Maria, à espera do impossível. Com o mesmo desejo de salvação, com a mesma atenção silenciosa, com a mesma abertura generosa, com a mesma ânsia da hora de Deus.

4. Quem nos dera um desejo assim, tão desnudado de tudo, como o de Maria, tão cheio dAquele Menino Deus que está ainda por vir. O homem do novo milénio experimenta esta tensão entre o querer tudo e o já não esperar nada. De certo modo, tornamo-nos incapazes de uma verdadeira espera, ou porque vivemos no imediato e conformados com tudo isto, ou porque desesperados, já não estamos realmente empenhados na vinda de N.S.J. Cristo.

Precisamos tanto de aprender de Maria esta espera, activa e «empenhada». Numa vida santa e imaculada. Esperar, como Mãe, cujo amor cresce tanto mais, quanto mais espera o Filho, que lhe está para nascer. Olhai, que basta então parar e até reparar… que é preciso ter pressa e vontade segura de a Ele chegar…

Com Maria, caminhemos generosamente ao encontro do Senhor que veio, que há-de vir e que vem, no seu colo, mais uma vez, no regaço de sua Mãe.

ImprimirEmail