• Entrada
Domingo XXVI do Tempo Comum | Ano C

Homilia no XXVI Domingo Comum C 2016

Um pobre chamado Lázaro e um rico que nem nome tem. Ambos chegaram ao fim da vida degradados: um pela miséria, outro pela riqueza. Mas nem Lázaro se salvou por não ter nada, nem o rico se condenou por ter muito. O problema é quando o que sobra em riquezas falta em compaixão.

Continue a leitura

Domingo XXIV do Tempo Comum | Ano C

Homilia no XXIV Domingo Comum C 2016

Em pleno Ano da Misericórdia, a única parábola (da ovelha perdida no deserto, da dracma perdida em casa, e dos filhos perdidos, um longe e outro dentro de casa), vem avivar-nos esta imagem de Cristo, Rosto da Misericórdia do Pai, que não Se cansa de nos procurar, para nos perdoar e fazer a festa.

Continue a leitura

Domingo XXV do Tempo Comum | Ano C

Homilia no XXV Domingo Comum C 2016

Neste início do ano pastoral, a Liturgia da Palavra vem recordar-vos a palavra-chave, na relação com Deus, nosso sumo e único Bem, e na justa relação com os bens deste mundo: a fidelidade. “A fidelidade no tempo é o nome do amor; de um amor coerente, verdadeiro e profundo a Cristo”!

Continue a leitura

Domingo XXIII do Tempo Comum | Ano C

Homilia no XXIII Domingo Comum C 2016

Hoje não me porei a calcular, se tenho por onde acabar a empreitada que sonhei, para este novo ano pastoral, nem me sentarei a considerar se tenho forças para vencer a batalha, contra tudo o que me impede de seguir a Cristo.

Hoje, Nosso Senhor vai-me perdoar, mas vou aproveitar a canonização de Madre Teresa de Calcutá, para deitar mãos às armas, que fizeram dela uma mulher santa, e uma mulher tão franzina como poderosa, uma mulher que não precisou de um cabeção ou de uma cruz peitoral, para influenciar e transformar a Igreja.

Continue a leitura

Mais artigos...

Leituras do dia

  • Domingo, dia 25 de Setembro de 2016 : Livro de Amós 6,1.4-7.
    Eis o que diz o Senhor omnipotente: «Ai dos que vivem comodamente em Sião e dos que vivem tranquilos no monte da Samaria. Deitados em leitos de marfim, estendidos indolentemente nos seus divãs, comem os melhores cordeiros do rebanho e os novilhos mais gordos do estábulo. Folgam ao som da harpa, e inventam, como David, instrumentos de música. Bebem vinho por grandes copos, perfumam-se com óleos preciosos, sem se compadecerem da ruína de José. Por isso, irão deportados à frente dos cativos, e terá fim esse bando de voluptuosos.
  • Domingo, dia 25 de Setembro de 2016 : Livro de Salmos 146(145),7.8-9.9-10.
    O Senhor faz justiça aos oprimidos, dá pão aos que têm fome e a liberdade aos cativos. O Senhor ilumina os olhos do cego, o Senhor levanta os abatidos, o Senhor ama os justos. o Senhor dá vista aos cegos, o Senhor levanta os abatidos. O Senhor ama os justos, O Senhor protege os peregrinos, ampara o órfão e a viúva e entrava o caminho aos pecadores. O Senhor protege os peregrinos, ampara o órfão e a viúva e entrava o caminho aos pecadores. O Senhor protege os peregrinos, ampara o órfão e a viúva e entrava o caminho aos pecadores. O Senhor reina eternamente; o teu Deus, ó Sião, é rei por todas as gerações.
  • Domingo, dia 25 de Setembro de 2016 : 1ª Carta a Timóteo 6,11-16.
    Caríssimos: Tu, homem de Deus, pratica a justiça, a piedade, a fé, o amor, a perseverança, a mansidão. Combate o bom combate da fé, conquista a vida eterna, para a qual foste chamado e sobre a qual fizeste tão bela profissão de fé perante numerosas testemunhas. Na presença de Deus, que dá a vida a todas as coisas, e de Jesus Cristo, que deu testemunho perante Pôncio Pilatos numa bela profissão de fé, Guarda o mandamento do Senhor, sem mancha e acima de toda a censura, até à aparição de Nosso Senhor Jesus Cristo, a qual manifestará a seu tempo o venturoso e único soberano, Rei dos reis e Senhor dos senhores, o único que possui a imortalidade e habita uma luz inacessível, que nenhum homem viu nem pode ver. A Ele a honra e o poder eterno. Amen.
  • Domingo, dia 25 de Setembro de 2016 : Evangelho segundo S. Lucas 16,19-31.
    Naquele tempo, disse Jesus aos fariseus: «Havia um homem rico, que se vestia de linho fino e se banqueteava esplendidamente todos os dias. Um pobre chamado Lázaro jazia junto do seu portão, coberto de chagas. Bem desejava ele saciar-se com os restos caídos da mesa do rico; mas até os cães vinham lamber-lhe as chagas. Ora sucedeu que o pobre morreu e foi colocado pelos Anjos ao lado de Abraão. Morreu também o rico e foi sepultado. Na mansão dos mortos, estando em tormentos, levantou os olhos e viu Abraão com Lázaro a seu lado. Então ergueu a voz e disse: ‘Pai Abraão, tem compaixão de mim. Envia Lázaro, para que molhe em água a ponta do dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nestas chamas’. Abraão respondeu-lhe: ‘Filho, lembra-te que recebeste os teus bens em vida e Lázaro apenas os males. Por isso, agora ele encontra-se aqui consolado, enquanto tu és atormentado. Além disso, há entre nós e vós um grande abismo, de modo que, se alguém quisesse passar daqui para junto de vós, não poderia fazê-lo’. O rico exclamou: ‘Então peço-te, ó pai, que mandes Lázaro à minha casa paterna — pois tenho cinco irmãos, para que os previna, a fim de que não venham também para este lugar de tormento’. Disse-lhe Abraão: ‘Eles têm Moisés e os Profetas: que os oiçam’. Mas ele insistiu: ‘Não, pai Abraão. Se algum dos mortos for ter com eles, arrepender-se-ão’. Abraão respondeu-lhe: ‘Se não dão ouvidos a Moisés e aos Profetas, também não se deixarão convencer, se alguém ressuscitar dos mortos’».