• Entrada
Domingo IX do Tempo Comum | Ano C

Homilia no IX Domingo Comum C 2016

Ainda no rescaldo da Festa da Eucaristia, estas palavras do centurião inspiram e recordam-nos o nosso ato de humildade, diante do convite, que nos é feito, para participar no banquete de Cristo (cf. IGMR 84). Respondemos sempre: “Senhor, eu não sou digno que entreis em minha morada, mas dizei uma palavra e serei salvo”.

Continue a leitura

Homilia na Solenidade da Santíssima Trindade C 2016

Homilia na Solenidade da Santíssima Trindade C 2016

O nome de Deus é misericórdia” (Ex 34,6-7). E “«misericórdia» é a palavra que revela o mistério da Santíssima Trindade” (MV 2). Com estas afirmações, o Papa Francisco parece dizer-nos, de maneira muito simples: na misericórdia reflete-se e revela-se o mais íntimo do coração do nosso Deus, que é Amor (1 Jo 3,16): na misericórdia, reflete-se e revela-se aquele eterno e infinito Amor do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Continue a leitura

Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo | Ano C

Homilia na Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo C 2016

«Dai-lhes vós de comer». Foi por aí, pela primeira obra de misericórdia corporal (dar de comer a quem tem fome), que começámos e vivemos uma longa caminhada diocesana, concluída no Pentecostes. Mas, nem de propósito, e antes que nos viesse a tentação de “arrumar o assunto”, e pôr de lado as obras de misericórdia, o Evangelho desta solenidade, vem lembrar-nos sobretudo a primeira e, a partir dessa, todas as outras obras de misericórdia!

Continue a leitura

Domingo de Pentecostes | Solenidade

Homilia na Solenidade de Pentecostes C 2016

E a Páscoa chega à sua plenitude, com a festa do Pentecostes. Volvidos cinquenta dias de Páscoa, celebramos o dom do Espírito Santo! Em pleno Ano da Misericórdia, é sempre bom recordar que é o Espírito Santo que “faz brotar e fluir do coração da Trindade o rio inesgotável da misericórdia divina” (MV 25).

Continue a leitura

Mais artigos...

Leituras do dia

  • Domingo, dia 29 de Maio de 2016 : Livro de 1º Reis 8,41-43.
    Naqueles dias, Salomão fez no templo a seguinte oração: «Quando um estrangeiro, embora não pertença ao vosso povo, Israel, vier aqui dum país distante por causa do vosso nome escutai-o do alto do Céu, onde habitais, e atendei os seus pedidos, a fim de que todos os povos da terra conheçam o vosso nome e Vos temam como o vosso povo, Israel, e saibam que o vosso nome é invocado neste templo que eu edifiquei».
  • Domingo, dia 29 de Maio de 2016 : Livro de Salmos 117(116),1.2.
    Louvai o Senhor, todas as nações, aclamai-O, todos os povos. É firme a sua misericórdia para connosco, a fidelidade do Senhor permanece para sempre.
  • Domingo, dia 29 de Maio de 2016 : Carta aos Gálatas 1,1-2.6-10.
    Irmãos: Paulo, apóstolo, não da parte dos homens, nem por intermédio de um homem, mas por mandato de Jesus Cristo e de Deus Pai, que O ressuscitou dos mortos, e todos os irmãos que estão comigo, às Igrejas da Galácia: Surpreende-me que tão depressa tenhais abandonado Aquele que vos chamou pela graça de Cristo, para passar a outro evangelho. Não que haja outro evangelho; mas há pessoas que vos perturbam e pretendem mudar o Evangelho de Cristo. Mas se alguém __ ainda que fosse eu próprio ou um Anjo do Céu __ vos anunciar um evangelho diferente daquele que nós vos anunciamos, seja anátema. Como já vo-lo dissemos, volto a dizê-lo: Se alguém vos anunciar um evangelho diferente daquele que recebestes, seja anátema. Estarei eu agora a captar o favor dos homens ou o de Deus? Acaso procuro agradar aos homens? Se eu ainda pretendesse agradar aos homens, não seria servo de Cristo.
  • Domingo, dia 29 de Maio de 2016 : Evangelho segundo S. Lucas 7,1-10.
    Naquele tempo, quando Jesus acabou de falar ao povo, entrou em Cafarnaum. Um centurião tinha um servo a quem estimava muito e que estava doente, quase a morrer. Tendo ouvido falar de Jesus, enviou-Lhe alguns anciãos dos judeus para Lhe pedir que fosse salvar aquele servo. Quando chegaram à presença de Jesus, os anciãos suplicaram-Lhe insistentemente: «Ele é digno de que lho concedas, pois estima a nossa gente e foi ele que nos construiu a sinagoga». Jesus acompanhou-os. Já não estava longe da casa, quando o centurião Lhe mandou dizer por uns amigos: «Não Te incomodes, Senhor, pois não mereço que entres em minha casa, nem me julguei digno de ir ter contigo. Mas diz uma palavra e o meu servo será curado. Porque também eu, que sou um subalterno, tenho soldados sob as minhas ordens. Digo a um: ‘Vai’ e ele vai, e a outro: ‘Vem’ e ele vem, e ao meu servo: ‘Faz isto’ e ele faz». Ao ouvir estas palavras, Jesus sentiu admiração por ele e, voltando-se para a multidão que O seguia, exclamou: «Digo-vos que nem mesmo em Israel encontrei tão grande fé». Ao regressarem a casa, os enviados encontraram o servo de perfeita saúde.